Repensar o conteúdo para novas mídias e dispositivos móveis têm sido um dos maiores desafios da comunicação atualmente. Reinventar a linguagem da produção audiovisual jornalística para a web e 'pensar fora da caixa' foram as temáticas do curso de "Produção de vídeos jornalísticos para a Internet" oferecido pela Associação Nacional dos Jornais (ANJ) e pelo Centro Knight para o Jornalismo nas Américas da Universidade do Texas em Austin, com o apoio do Google,  entre os dias 6 de junho e 3 de julho. 

Ao todo, mais de 6.200 pessoas do Brasil e de outros países participaram deste curso online e, ao fim do treinamento, 15 vídeo de trabalhos finais foram contemplados com bolsas de viagem para ir à sede do YouTube no Brasil e participar de um seminário exclusivo de produção de vídeos com a equipe do YouTube, no dia 31 de agosto. 

Entre os selecionados estão "O vendedor de bosta", inscrito pela repórter Paula Falcão, que apresenta o artesão Odílio Rodrigues, de 50 anos, personagem ilustre das feiras livres da capital por vender um produto inusitado: cocô de serragem. Há 15 anos, o artesanato é  única fonte de renda dele. Não há que não dê risada ao ouvir os gritos de "olha o cocô, olha a bosta", quando Odílio anuncia seu produto. O vídeo foi postado no site do Jornal Daqui, no dia 15 de julho. 

O segundo vídeo apresentou o icônico dono de bar, Don Guina, famoso na capital por fazer questão de atender mal aos clientes, inscrito pelo editor Frank Martins. Agnelo Paes Landim Neto, nome de batismo do folclórico motoqueiro, decorou seu estabelecimento com objetos que acumulou em viagens. Ele conta preferir os cornos e solitários aos casais apaixonados. O motivo? Cornos e solitários consomem mais bebida. No último Dia dos Namorados, o depoimento de Don Guina dispensando clientes ganhou notoriedade nas redes sociais.

Dentre os projetos selecionados, estão temas como a vida em uma vila de pescadores atingida pela lama do desastre ecológico de Mariana, em Minas Gerais, e a parada de orgulho LGBT são apresentados com muita criatividade e apostando em elementos narrativos mais próprios dos documentários.  

"Os participantes absorveram o que eu considero mais fundamental, que é o conceito dessa nova linguagem de videojornalismo para web. Muito mais do que dar dicas práticas, o que sempre quis com esse curso foi fazer com que as pessoas aprendessem a pensar de um outro jeito e percebessem a infinidade de caminhos que essa linguagem permite, que vão muito além do telejornalismo convencional", comentou o instrutor João Wainer, que ministrou o curso.

Mais um prêmio 

A repórter Paula Falcão voltou a ser premiada em um curso com apoio da Associação Nacional dos Jornais. Em 2014, no MOOC "Introdução ao Jornalismo Móvel", ela produziu pilotos da série "#aproveiteacidade",  depois exibida no site e no Facebook do Popular. Como premiação, a jornalista foi selecionada para acompanhar o Simpósio Internacional de Jornalismo Online (ISOJ), em abril de 2015, em Austin, no Texas (EUA). 

Assista aos vídeos selecionados: