Imagine ir a um beco escuro e deserto, comprar uma pílula de um sujeito excêntrico e misterioso, tomá-la e, em vez de ter alucinações, picos de energia ou sensação de bem-estar, ganhar superpoderes. Esse é o efeito de uma nova droga ficcional, comercializada por Rodrigo Santoro em "Power", filme da Netflix que entrou no catálogo nesta sexta-feira (14). Com direçã...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários