Desde o Festival de Cannes de 2019, em que recebeu o prêmio de roteiro e a Palme Queer - para o melhor filme de temática LGBQ+ -, Retrato de Uma Jovem em Chamas tem sido um favorito de plateias defensoras da diversidade. No Brasil, abriu o Mix Brasil, em novembro, e concorreu ao Globo de Ouro. É o quarto filme de Céline Sciamma, que, a par de ser diretora, roteirista...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários