De herança para o filho caçula dona Ana Cândida deixou uma casa, no Setor Sudoeste, e meia dúzia de pés de frutas. Entre eles, a figueira é a que mais lembra a mãe. “Ela colhia os figos na hora e fazia um doce que já era tradicional na família”, recorda Edivan Alves da Silva, 62 anos. Depois da morte da matriarca, o professor decidiu que transformaria o quintal em re...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários