Antes mesmo de chegar até o supermercado, a enfermeira Lorrayne Pereira Muniz, de 33 anos, já começa a sentir as palpitações no corpo. “Esqueci o álcool em gel? A máscara está presa o bastante? Será que o mercado vai estar cheio demais?”, pensa impaciente. A goiana sofre com crises de ansiedade que se intensificaram nos últimos meses por conta do isolamento s...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários