Rio abaixo, rio acima, rio adentro. As orientações soam como música aos ouvidos de Luiz Miguel Carrijo, 36 anos. É que desde criança ele acampa às margens do Araguaia, curso d’água que guarda muitas memórias do zootecnista. Antes, as viagens eram feitas ao lado do pai, dos tios o dos primos, que visitavam o rio, religiosamente, no feriado de 7 de setembro. De...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários