O ator e humorista Paulo Gustavo morreu na noite desta terça-feira (4) aos 42 anos. Ele estava internado desde o dia 13 de março em um hospital particular do Rio de Janeiro devido a complicações da Covid-19. No dia 22 de março, foi levado à Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e entubado.

Nos últimos dias, o Paulo Gustvao vinha apresentando melhora e chegou a acordar e interagir bem com a equipe médica e com o seu marido no domingo à tarde. Neste último domingo (2), porém, o ator voltou a apresentar piora em seu estado de saúde e sua situação foi considerada “instável e de extrema gravidade”.

VEJA TAMBÉM:

>> Entenda a embolia que levou ator Paulo Gustavo a estado terminal
>> Paulo Gustavo, morto por Covid, realizou sonho de ser pai após anos tentando
>>Paulo Gustavo foi destaque como Dona Herminia; relembre personagens

IRREVERSÍVEL
Mais cedo, O POPULAR noticiou que a equipe médica declarou o quadro do humorista irreversível. Paulo Gustavo era casado com o dermatologista Thales Bretas e pai dos gêmeos Romeu e Gael.

HISTÓRICO

O humorista estava internado desde o dia 13 de março. A informação foi divulgada pela assessoria de imprensa do artista dois dias depois, no dia 15. Na ocasião, o marido dele, Thales Bretas, disse que ele estava melhorando e agradeceu o carinho dos fãs.

Pouco mais de uma semana após a internação, no dia 21 de março, o ator precisou ser intubado porque estava com dificuldade para respirar. Na época, foi divulgado que o procedimento era uma precaução e Bretas disse que era "mais um passo na cura da infecção".

"[Paulo] foi sedado e entubado para que a cura consiga se estabelecer nos seus pulmões sem cansá-lo tanto com a falta de ar que o incomodava", disse. "Estou calmo, confiante e tenho certeza de que será um passo importante para a melhora completa do nosso guerreiro!!! Ele que é jovem, saudável, sem comorbidades e supercuidadoso, está passando por isso."

O ator respondeu bem ao tratamento e teve uma evolução positiva nos dias seguintes. Porém, no dia 2 de abril, o estado de saúde dele piorou. Ele acabou precisando mudar de tratamento e passou a respirar com a ajuda de ECMO (Oxigenação por Membrana Extracorpórea), uma espécie de pulmão artificial usado apenas em casos mais graves.

Dois dias depois, Paulo Gustavo precisou passar por uma pleuroscopia, para que a equipe médica pudesse verificar a condição de seus pulmões. Na ocasião, foi identificada uma fístula broncopleural, espécie de comunicação anormal entre os brônquios e a pleura. Ela foi corrigida.

Em 7 de abril, o marido de Paulo contou que o ator teve que receber uma transfusão de sangue. Segundo ele, devido ao ECMO, o paciente ficou "anticoagulado" e perdeu "um pouco de sangue". "Por isso precisou tomar algumas bolsas de sangue", explicou. Na mesma publicação, ele também incentivou as pessoas a irem doar sangue.

Porém, dias depois foi realizada uma toracoscopia, na qual uma nova fístula broncopleural foi identificada e corrigida. De acordo com comunicado da assessoria de imprensa do humorista, o procedimento foi um sucesso.

No dia 11, o boletim médico dizia que a situação clínica do ator continuava crítica. "Todos os profissionais têm se empenhado incessantemente pela sua recuperação", diz a nota publicada nas redes sociais.

"As diversas complicações pulmonares já demandaram procedimentos invasivos como broncoscopias, pleuroscopias e colocação de dispositivos intrapulmonares", continua o texto. "Às fístulas broncopleurais identificadas e tratadas somaram-se a complicações hemorrágicas, mas que vêm respondendo, de certa forma satisfatória, à reposição dos fatores da coagulação deficitários."

Os últimos boletins sobre o estado de saúde de Paulo Gustavo informavam apenas que o artista ainda continuava em estado grave.