O paraibano Carlos Augusto do Nascimento, 38 anos, entende do produto que vende. Afinal, vem de um dos maiores polos de produção de redes de algodão do País, de onde, aliás, traz as peças que vende na beira da estrada, em Terezópolis. E quando falamos na beira da estrada, é na beira da estrada mesmo. “Eu passei aqui e vi que as árvores estavam vazias. Resolvi usá-las para v...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários