Numa entrevista por e-mail, Bong Joon-ho, diretor de Parasita, que estreou esta semana, destaca que a Palma de Ouro para o filme, em Cannes, em maio, veio num momento especial, quando se comemora o centenário do cinema coreano. Ele assume o caráter social da obra com a discussão sobre a luta de classes na Coreia do Sul e no mundo, ainda marcado por desigualdades profu...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários