Tudo o que é vivo, morre. A frase de Ariano Suassuna, na voz de Chicó, em O Auto da Compadecida, ensinou que a morte é a sentença que iguala tudo o que é vivo, o único mal irremediável. Apesar disso, ela e seus rituais fúnebres continuam rodeados de mitos e tabus – pelo menos na cultura ocidental. Para quebrar alguns deles, o Grupo Solo de Dança estreia neste sáb...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários