Uma das ideias de Michel Teló era assar uma carne, tocar modas e reunir a imprensa para falar sobre a segunda parte do projeto Churrasco do Teló, recém-lançado nas plataformas digitais. Mas o possível plano de divulgação não foi para frente por conta da pandemia do novo coronavírus e toda divulgação foi feita por telefone da sua casa em São Paulo, onde ele está em isolamento com a mulher, a atriz Thais Fersoza, e os filhos Teodoro e Melinda. “Estamos quietinhos aqui em São Paulo, fazendo nossa parte e torcendo para que essa fase passe logo”, disse Teló, em entrevista ao POPULAR.

Há pouco mais de duas semanas, o cantor decidiu adiar todos os shows e os compromissos publicitários até o final de abril. Mas ele resolveu manter os salários da equipe que o acompanha na estrada – 30 pessoas – e a equipe do escritório vem trabalhando em home office. O sertanejo também participa de ações na internet, como apresentações nas redes sociais. O novo EP de Michel Teló, projeto ao vivo iniciado em julho de 2019 com o lançamento do EP Quintal, gravado em um bar-restaurante paulistano com carnes e música ao vivo no cardápio, traz seis canções inéditas.

No primeiro volume, o grande sucesso foi Casal Modão, com mais de 10 milhões de visualizações no YouTube. A aposta da vez é a divertida faixa Quem Falou Mentiu, com clipe disponível no seu canal e que tem entre os compositores Murilo Huff, marido de Marília Mendonça. Michel Teló disse que um dos motivos que o fez manter o lançamento do EP foi de levar diversão para as pessoas que têm de ficar em casa, seguindo orientações das organizações de saúde. “Levando música e arte, podemos fazer com que os dias dessas pessoas sejam mais leves”, completa. Confira o bate-papo com a reportagem.

Como vem sendo sua rotina nesse isolamento?

Estamos quietinhos em casa aqui em São Paulo e tentando conscientizar os fãs pelas redes sociais como é importante manter o isolamento, já que muita gente ainda não está levando a sério. Isso é realmente grave e estamos fazendo nossa parte e acompanhando essa fase que é de medo, torcendo para passar logo.

O que você anda fazendo em casa para ocupar o tempo?

Um monte de coisas. Estou fazendo música, dançando bastante com a família, tenho uma casa na árvore no quintal e tem o momento do balanço. Meus dois filhos adoram churrasco e nos últimos dias assei um pouco de carne para eles. Estou inventando de tudo um pouco para que esse tempo seja de qualidade e menos traumático. Não quero transmitir o sentimento de medo para minha família. O momento é de cuidado.

Quais foram os efeitos da pandemia na carreira do Teló?

Há quase duas semanas tomamos a decisão de parar tudo e adiamos todos os shows agendados para março e abril e podendo ter de prorrogar para maio. Eu tinha duas campanhas publicitárias para gravar e ficou para depois. Venho mantendo contato com os meus fãs pela internet e participando de apresentações on-line para que o pessoal tenha entretenimento em casa e por isso mantive o lançamento do meu novo EP.

Você manterá os profissionais que trabalham com você nesse momento de paralisação?

O pessoal do escritório está em home office. A galera da estrada recebe por show e adiamos os compromissos pelos próximos dois meses. A nossa decisão foi manter toda a equipe, pagando o salário integral como se fôssemos fazer toda a agenda programada até o final de abril. O período é de união, somos uma família, e vamos segurar essa onda junto com todos eles.

Você já tinha ficado tanto tempo assim longe dos palcos?

É algo inédito o que vem acontecendo na carreira de muita gente. A nossa geração nunca passou por nada parecido, de ter de ficar isolado completamente. Quando o problema do novo coronavírus se agravou, eu tinha acabado de voltar das férias. Meu conselho para todo mundo é o de evitar aglomeração e ficar em isolamento porque assim vamos vencer esse vírus mais rápido. Tenho muita fé de que esse momento será breve e agorinha vamos poder abraçar nossos amigos e familiares num bom churrasco.

O EP Churrasco do Teló é o segundo de três que serão lançados ainda em 2020. Como surgiu essa ideia?

Sempre gostei muito de churrasco. Na infância, a gente se reunia para assar carne e cantar moda em casa e nos últimos anos estava pensando em fazer algo nesse sentido. Há dois anos, estou rodando com o projeto pelo Brasil e espero um dia levar essa estrutura completa para Goiânia também.

No primeiro EP, a música de maior sucesso foi Casal Modão, que tem entre os compositores o cantor Murilo Huff, marido da Marília Mendonça. A primeira música do novo disco também tem assinatura dele. Como surgiu essa parceria com ele?

A gente se conhece faz um tempo. Uma vez, realizei uma audição aqui em casa e ele participou. As minhas quatro últimas canções de trabalho levam assinatura do Murilo. Ele também é um dos autores do sucesso Modão Doído que gravei com Maiara & Maraisa. O jeito que ele compõe combina com o tipo de música que gosto de levar para o público porque não são faixas apelativas e têm um papo divertido.

Você ficou conhecido pelas baladas, como Fugidinha, Ai Se Eu Te Pego e O Mar Parou. O repertório dos seus últimos projetos segue por outro caminho, com arrocha, bachata e modões. Será essa a tendência?

Sempre gostei da música de festa porque comecei no baile. Estou em um momento mais família, mas sempre busco o equilíbrio no repertório para ninguém estranhar. Tem batidão para dançar, alegre e sem vulgaridade, e tem aquela moda boa para ficar em casa com a família comendo um bom churrasco.

 

Na última temporada do Bem Sertanejo, no Fantástico, você falou dos grandes festivais. O projeto terá continuidade na TV, outros discos e o musical?

O Bem Sertanejo tornou-se algo grandioso na minha carreira e ainda não sei qual vai ser o futuro do projeto. Pode ser que tenha mais uma temporada no Fantástico e existe ainda uma possibilidade de fazer um filme, mas não sei se isso deve seguir adiante nesse momento. Mas eu tenho a responsabilidade de manter viva a chama da música de raiz e eu gosto de fazer.

 

Você seguirá novamente como técnico do The Voice Brasil e buscará o hexacampeonato?

Costumo dizer que tenho 25% de chance de ganhar e vou entrar firme de novo para conquistar pelo sexto ano seguido, o que é muito difícil porque todo mundo quer interromper essa minha fase. Minha esperança é de poder levar o hexa antes da seleção. Falando sério, não sei o que acontece, acho que escolho bem os participantes e o público se identifica com eles.