Sessenta anos atrás, uma operação do serviço secreto israelense, digna de cinema, capturou em Buenos Aires Adolf Eichmann, um dos criminosos nazistas mais procurados da época. Ele foi levado a Jerusalém para um julgamento acompanhado por todo o mundo e na cobertura do evento estava a filósofa Hannah Arendt. Ela queria conhecer de perto alguém que tivesse participado d...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários