Quando venceu o Prêmio Sesc de Literatura em 2005, o romance Hoje Está um Dia Morto foi classificado como um turbilhão iconográfico no qual palavras, mais do que texto, formavam imagens. Foi como se o escritor André de Leones entrasse na cena literária de uma forma veloz e furiosa. Nas palavras do próprio autor, de um jeito “agressivo e desfolegado”. Agora, quas...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários