Quinquilharia, penduricalho, badulaque, parafernália. Os nomes, usados, muitas vezes, como referência a objetos antigos, são proibidos entre os frequentadores da feirinha criada, como uma declaração de amor, pelo barbeiro Ruimar Ferreira. Há 43 anos, ele toca um tradicional salão de beleza que fica em frente à Praça Tamandaré, no Setor Oeste, e há um ano e me...

Olá, esta matéria é exclusiva para assinantes.

Não sou Assinante.

Para ler a matéria você pode usar as chaves de convidado e desbloquear o conteúdo.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários