O escritor moçambicano Mia Couto jamais duvidou da força da literatura para, especialmente em um país tão marcado por problemas como o seu, permitir que o povo não abandone sua capacidade de sonhar. Mia comunga da ideia de que a escrita pode ajudar a inventar (e revisitar) um tempo. Movido por tal convicção, escreveu livros cuja prosa poética encanta por se aproximar da...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários