“Quando vivemos a sonhar amores, quando não temos a ilusão perdida, quando nossa alma não padece dores. Morrer é triste! Como é linda a vida!” Os versos do poema Símile abreviam muito bem - e obrigado - a obra de Leodegária de Jesus (1889–1978), poeta goiana que serve de eixo central para o documentário Entre Luz e Câmera: O Audiovisual em Leodegária de Jesus, dirigido...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários