Denise Perilo, 53 anos, era capaz de esticar o caminho, dando uma volta imensa, quando avistava, mesmo de longe, um cachorro. O medo, herança do pai, Jales, acompanhava a servidora pública desde criança. “Ainda menino, ele foi mordido e nunca conseguiu se aproximar dos cães, independente do porte. Crescemos ouvindo que o animal era perigoso e por isso, quando me casei,...

Olá, esta matéria é exclusiva para assinantes.

Não sou Assinante.

Para ler a matéria você pode usar as chaves de convidado e desbloquear o conteúdo.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários