Após meses de quarentena, curtindo a família e buscando inspirações para trabalhos futuros, o cantor Daniel, 52, se prepara para voltar à TV em 2021. Escalado como um dos jurados do programa The Voice+ (Globo), ao lado de Claudia Leitte, Mumuzinho e Ludmilla, ele diz acreditar que a nova atração, com cantores amadores acima de 60 anos, será como uma “injeção de ânimo” em sua própria carreira.

“Como jurados, somos orientadores, mas, dessa vez, tenho certeza de que seremos também aprendizes”, diz Daniel, que esteve nas primeiras três temporadas do Voice Brasil (Globo). Seis anos depois, se diz lisonjeado com o convite para voltar à atração, principalmente pela oportunidade de ver pessoas mais velhas retomando seus sonhos ou começando o que nunca tentaram antes.

“Todos que passarão por esse palco sagrado que é o Voice vão transmitir esse clima de tocar em frente, de recomeçar”, afirma o cantor. “Quando eu era mais jovem, eu ouvia que uma pessoa de 40 anos já era velha. Estou com 52 e não admito que ninguém me veja assim”, brinca aos risos o artista que destaca como um privilégio ser cantor, exercendo uma arte que o restaura a cada show, a cada lançamento.

Nos últimos meses, no entanto, a pandemia do novo coronavírus acabou deixando Daniel longe dos shows e sem lançamento. Segundo o artista, foi um período assustador no início, mas ele entendeu que deveria aproveitar esse tempo para fazer o que sempre valorizou: “Fortaleci aquilo que já existia em mim, que é gostar de estar perto da família, ver as crianças crescendo”, afirma o cantor.

Casado com Aline de Pádua, ele tem duas filhas: Lara, de 11 anos, e Luiza, prestes a completar nove. “Quando a Lara chegou eu já tinha me programado para cuidar mais delas, dedicar-me à educação delas”, conta Daniel, que teve que se adaptar às aulas online das meninas e aproveitou para fazer alguns passeios por Brotas, cidade do interior de São Paulo onde nasceu e sempre viveu com a família.

“No início foi tranquilo aqui em Brotas. Cumpri alguns compromissos pessoais e voltei para cá. Mas como é uma cidade turística, logo começaram a reabrir coisas, começou a vir gente de fora e testemunhamos pessoas próximas de nós contaminadas”, relata Daniel, que ficou preocupado com a saúde dos pais, que têm mais de 80 anos, e do irmão, Gilmar, 58, que tem paralisia cerebral.

Apesar disso, Daniel não vê preocupação em voltar às gravações do The Voice+, que tem previsão de estreia para 17 de janeiro. “Participei do primeiro programa do Serginho [Groisman, do Altas Horas] de volta ao estúdio. E fiquei assustado de forma positiva com a responsabilidade que todos estão lidando com isso por lá. Com o arsenal que estava montado, preparativos de roupas, para que todos os envolvidos estivessem bem”, afirma.

Daniel, que lançou duas músicas antes da quarentena, tem se preparado também para lançar novidades musicais. Em agosto, ele foi trilha de abertura da novela portuguesa “Ouro Verde”, exibida pela Band. Ele ainda gravou uma nova versão da música “Trem Bala”, em parceria com o ícone adolescente Larissa Manoela, 18. A canção, gravada originalmente por Ana Vilela, estará no próximo DVD do cantor.

Desde o final de 2019, ele conta que já vinha gravando algumas canções e, por isso, tem coisas meio prontas. Só não tem ainda uma estratégia de lançamento. “Espero ter a oportunidade de mostrar alguma dessas músicas no palco The Voice”, afirma ele.

O que já estava na fila é um projeto de regravação dos maiores sucessos de João Paulo e Daniel. Os dois acumularam alguns hits nos anos 1990, antes da morte precoce de João Paulo em um acidente de carro, em 1997. A música “Estou Apaixonado” (1996) foi o grande marco da dupla.