No caso do cãozinho Theo, a fraqueza e a falta de apetite vieram acompanhadas pela coriza que dificultava a respiração do animal. “Nos cães, como a inspiração e a expiração são feitas, muitas vezes, pela boca – o que explica o fato da língua do animal estar sempre para fora –, há um ressecamento intenso das vias aéreas inferiores, o que afeta, em cheio, pulmão e traque...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários