A pequena Maria Fernanda não pode ver uma piscina que já quer abrir os braços e pular na água. Desde os seis meses que a bebê participa de turmas de natação, quando o pai João Fillipe Ferreira mudou-se para uma nova residência com piscina. “A princípio, foi uma questão de segurança e sobrevivência, mesmo existindo grades e todos os equipamentos necessários de ...

Olá, esta matéria é exclusiva para assinantes.

Não sou Assinante.

Para ler a matéria você pode usar as chaves de convidado e desbloquear o conteúdo.
QUERO ASSINAR

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários