O homem e o cão no sinal vermelho

“Cuida bem desse cachorro”, disparou, sem pensar no que estava falando. A frase saiu como um espasmo incontido, impulsivamente, com o descontrole de uma barragem que explode. Segundos depois veio a culpa: qual era o sentido de pedir a um morador de rua, maltrapilho e subnutrido, sujo e humilhado, que cuidasse bem de seu cachorro?

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários