Escrevo com febre, não a febre criativa ou amorosa, mas física mesmo. Embora sem um termômetro para aferir, sinto aquela ardência na pele do estado febril. Toco a testa e percebo que estou de cabeça quente, dessa vez literal e não figuradamente de revolta por esse país…

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários