Sozinho. Sentado à mesa, mexendo no celular. O gabinete às escuras. Cortinas fechadas. A noite avança lá fora. Gritos distantes, buzinaços. Panelas batendo? Sim, algumas. “Canalhas”, resmunga. O lugar às escuras, exceto pela luz do visor. Azulada, a claridade distingue o…

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários