Era um dia comum de treino. O ritual, o mesmo. Roupa leve, tênis e relógio para marcar o tempo. O engenheiro e maratonista Marcos Rogério de Lima Brito, de 48 anos, se preparava para a maratona de Goiânia de 2018 no circuito da Alameda Ricardo Paranhos, uma das pistas favoritas dos atletas de rua da cidade. Quando chegou no nono quilômetro, sentiu um mal-estar...

Olá, esta matéria é exclusiva para assinantes.

Não sou Assinante.

Para ler a matéria você pode usar as chaves de convidado e desbloquear o conteúdo.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários