O Homem-Aranha tem um inimigo muito mais forte pela frente. Talvez seja uma boa ideia convocar a Mulher-Maravilha e o Batman para a batalha. Se ainda for preciso de reforços não custa tentar o Dominic Toretto e a equipe do Velozes e Furiosos e até o OO7 para garantir o triunfo. Apesar dos gêneros diferentes e união improvável, esses personagens têm algo em comum: todos tiveram as estreias adiadas e produções paradas devido à pandemia causada pelo novo coronavírus. A doença vem causando diversos impactos no mercado cinematográfico desde o fechamento de salas de cinema, adiamentos e produções paradas.

Nesse mesmo período do ano passado, o mundo vivia a expectativa de Vingadores: Ultimato tornar-se a maior bilheteria da história no duelo com Avatar – feito alcançado em julho com US$ 2,790 bilhões. A produção da Marvel foi parte de um mercado em ascensão, com uma arrecadação de mais de US$ 40 bilhões. No Brasil, em 2019, os brasileiros foram mais ao cinema (172 milhões de espectadores), aumento de 7,6% em relação a 2018, segundo a Agência Nacional do Cinema (Ancine). Para 2020, o cenário é de contar os prejuízos – a estimativa de produtoras é de mais de R$ 100 bilhões e subindo.

Antes da pandemia, a previsão de faturamento era bastante otimista por conta das grandes produções previstas no ano. A primeira baixa foi o novo filme do agente James Bond, 007 – Sem Tempo para Morrer, despedida do ator Daniel Crag como protagonista. A estreia estava marcada para 31 de março e foi adiada para 12 de novembro. Outra data alterada na sequência foi o primeiro longa solo da espiã russa Viúva Negra (Scarlett Johansson) – de 30 de abril para 29 de outubro. Já a bem-sucedida franquia Velozes e Furiosos 9 deu um salto de quase 12 meses: de 22 de maio para 2 de abril de 2021.

Do primeiro semestre, o filme mais aguardado pelos fãs era Mulher-Maravilha 1984, sequência do longa solo de 2017 estrelado por Gal Gadot no papel da heroína da DC Comics Diana Prince. Com estreia marcada par 4 de junho, a continuação foi adiada para 14 de agosto – data que pode ser mudada novamente por conta do coronavírus. “Nesses tempos sombrios e assustadores, estou ansiosa por um futuro melhor pela frente. Onde possamos compartilhar o poder do cinema juntos novamente. Espero que todos estejam seguros. Enviando meu amor a todos vocês”, postou Gadot no Instagram.

Quem também está confiante numa volta rápida é a Disney, que confirmou Mulan, uma das animações mais clássicas na versão live-action para 24 de julho. O filme estava a algumas semanas de estrear quando a pandemia paralisou o calendário. Apesar do novo coronavírus ainda não ter chegado no seu pico em outras partes do mundo, o estúdio planeja lançar a produção somente nos países com cinemas abertos e também no serviço de streaming Disney+ – ainda não lançado no Brasil. Se a previsão for acertada, o longa será um dos primeiros blockbusters a tentar reconquistar os espectadores.

No Brasil, o cenário é totalmente incerto porque vários estudos apontam o País como novo epicentro do coronavírus. Questionada pelo POPULAR, a rede Kinoplex, com 260 salas em 19 cidades, disse em nota que “está avaliando e aguardando os protocolos que estão sendo definidos pelos governos locais e que seguirá à risca todas as recomendações dos órgãos de saúde para que o cinema continue sendo um lugar seguro para ser frequentado por todos”. A Cinemark, que conta com 642 salas distribuídas em 17 estados e o Distrito Federal, preferiu não se pronunciar sobre o assunto no momento.

Paralisados

Antes da pandemia, muitas produções estavam com filmagens em andamento e foram interrompidas, caso do próximo filme do famoso morcego da DC Comics que será estrelado por Robert Pattinson, conhecido por interpretar o vampiro Edward, na saga Crepúsculo. Nas redes sociais, o diretor do longa, Matt Reeves, revelou que foi filmado aproximadamente um quarto da produção e que falta boa parte ainda. “Desligamos até que seja seguro para todos nós retomarmos”, postou Matt. O atraso alterou a data de estreia, que estava programada para 25 de junho de 2021, passando para 1º de outubro do mesmo ano.

O terceiro filme do aracnídeo Homem-Aranha (Tom Holland) tinha previsão de filmagens agendadas para o verão norte-americano, período que vai de junho a setembro. O atraso pode afetar a previsão de estreia, agendada para o Brasil em 28 de outubro de 2021, uma semana antes da estreia nos EUA – marcada para julho, mas adiada para 6 de novembro. O mesmo aconteceu com a franquia Missão Impossível 7 e 8, com Tom Cruise, que estava sendo rodada simultaneamente. As produções foram mudadas para 19 de novembro de 2021 e 4 de novembro de 2022, respectivamente.