Se Manoel de Barros entendia como ninguém o sotaque da natureza, Cássia Kis conhece de cor o dialeto que nasce da convergência entre diferentes manifestações artísticas. Enquanto a habilidade de um veio como resposta à poesia incrustada na terra, a tarimba da outra é resultado de uma intimidade invejável com os palcos. E é exatamente no tablado que os dois tê...

Olá, esta matéria é exclusiva para assinantes.

Não sou Assinante.

Para ler a matéria você pode usar as chaves de convidado e desbloquear o conteúdo.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários