Quando ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro, em 2014, com A Grande Beleza, Paolo Sorrentino chamou atenção pela estética quase subversiva e se consolidou como um dos cineastas italianos mais interessantes da cena audiovisual contemporânea. Em seu novo longa, o diretor extrapola, mas com uma justificativa inquestionável: quem será retratado na tela é ningu...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários