Gal Costa foi a última do núcleo duro da tropicália a fazer sucesso e, no começo dos anos 1970, ela carregava o movimento praticamente sozinha. “Usava aquelas roupas normalmente e me lembro de ser agredida duas vezes na rua, por dois homens. Um deles veio em minha direção, eu estava dirigindo, me deu um tapa na cara e disse ‘ponha-se no seu lugar de mulher’. Falavam ag...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários