O Brasil completava dez anos de República quando o Teatro de Pirenópolis, situado no Largo da Matriz, começou a ser construído, em 1899, todo em estilo colonial, por iniciativa de Sebastião Pompeu Pina. Durante décadas, o edifício foi intensamente utilizado para apresentações de dança, óperas, peças e espetáculos. Ao longo dos anos, passou por diversas reformas, chegando até a abrigar uma serraria.

Só em 1979 a extinta Fundação Cultural do Estado de Goiás comprou o prédio, que o restaurou e então voltou a funcionar. Já entre 1996 e 1999, o prédio histórico foi totalmente restaurado pelo Iphan, ano em que completou 100 anos, devolvendo sua feição original.

“O teatro é de grande importância tanto para a comunidade de Pirenópolis quanto para todo o povo goiano. É um prédio histórico e que precisa voltar a oferecer atividades de cultura e de entretenimento à sociedade”, destaca a superintendente do Iphan Goiás, Salma Saddi. Para valorizar o teatro, em 2010, o Iphan entregou o Entroncamento Cultural, espaço que une anfiteatro, cafeteria e um terraço mirante. A intervenção liga o teatro, voltado para o Largo da Matriz, e o Cine Pireneus, voltado para a Rua Direita, por meio dos seus respectivos quintais.