Era junho de 2018 quando as cineastas Júlia Mariano e Éthel Oliveira perceberam o aumento significativo de candidaturas de mulheres negras no processo eleitoral. Três meses antes, Marielle Franco havia sido assassinada, e muitas daquelas candidatas se declararam sementes de Marielle. Foi então que desenvolveram o documentário Sementes: Mulheres Pretas no Poder, lançado e...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários