O refluxo pode causar sérios problemas odontológicos, como a erosão dentária, gengivite, ulceração da mucosa oral, hipersensibilidade, entre outros. É o que alerta a odontóloga Cláudia Martins, do Crool Centrol Odontológico. “A erosão dentária é a doença mais prevalente, com incidência variando entre 2 a 77%, e esta variação é explicada por fatores como idade, gênero, etnia e fatores de risco populacionais”, explica.. 

A especialista em próteses dentárias aponta aumento nos casos de erosão nos últimos anos. “O estresse da vida moderna tem levado ao aumento da incidência de refluxo gastrointestinal e do apertamento ou bruxismo dental, consequentemente ao aumento da erosão dentária. A ingestão de bebidas industrializadas, que em geral são ácidas, leva também à erosão. Normalmente os indivíduos mais atingidos são homens de todas as idades, sendo que os estudos são controversos neste aspecto, devido à complexidade de fatores envolvidas na erosão dental”, afirma. 

Sintomas
Cláudia explica que alguns sinais e sintomas podem contribuir para que as pessoas notem a ocorrência de algum problema dentário proveniente do refluxo.  “A erosão dentária pode ser notada pelo paciente com o aparecimento de lesões nos dentes, sendo na parte interna por refluxo ou na parte externa decorrente consumo de bebidas ácidas, algumas levando à destruição da coroa dental”, esclarece. Ela ainda acrescenta que pode haver hipersensibilidade dentária ou até dor, quando o desgaste expõe a polpa, ou nervo, do dente. 

Cuidados
Entre os cuidados imprescindíveis para prevenção de lesões, estão a busca por métodos que aliviem o estresse e a ansiedade, conforme aponta a profissional.

“Evitar a ingestão de bebidas ácidas, Observar a presença de alterações nos dentes por meio do autoexame e estar atento à existência de apertamento/bruxismo. E ao notar qualquer alteração, é preciso procurar o cirurgião-dentista”, alerta ela, que ainda orienta o uso de canudos ao ingerir bebidas ácidas, assim como aguardar pelo menos 30 minutos para escovar os dentes.  

Hábitos que podem agravar o refluxo 
Devido a pandemia, as pessoas passaram a ficar mais tempo em casa e os hábitos mudaram. Com o home office, por exemplo, as pessoas possuem maior facilidade para descanso, principalmente após o almoço. 

É comum a pessoa almoçar e logo deitar para assistir televisão, navegar na internet ou até mesmo tirar um cochilo. O nutricionista do Sistema Hapvida, Igor Oliveira, explica para as pessoas que já possuem refluxo, que esse comportamento pode aumentar a sensação de azia e queimação no estômago.

“Esse comportamento pode ocasionar no retorno dos ácidos e consequentemente o aumento da sensação de azia, queimação e tosse. Duas dicas importantes para quem come e vai descansar são: a primeira é não deitar após as refeições. E a segunda é, caso a pessoa precise deitar, que ela aguarde entre 40 minutos e 1 hora, e deite em um ângulo de pelo menos 45 graus. Seguindo essas dicas, com certeza o desconforto será bem menor”, explica. 

Alimentação 
A alimentação também faz toda a diferença para reduzir a inflamação causada pelo refluxo. Desde o início da pandemia, os pedidos de comida por aplicativo aumentaram, e a tendência de pedir alimentos ricos em gordura como pizzas e sanduíches, também aumentou. O nutricionista do Sistema Hapvida explica que é importante evitar alimentos que potencializem os problemas gastroesofágicos, além de diminuir o volume das refeições. 

“Os alimentos que geralmente causam desconforto para quem têm refluxo são: alimentos ricos em gordura como pizza, bacon, derivados lácteos mais gordurosos, carne vermelha, já que ela tem a digestão mais lenta e consequentemente faz com aumente a produção de ácido no estômago, cafeína, bebidas alcoólicas, bebidas gaseificadas, excesso de chocolates, alimentos que contem pimenta ou molhos picantes, entre outros. Além disso, é importante reduzir o volume de alimentos em cada refeição. As vezes a pessoa come uma carne branca, como o frango por exemplo, mas come em grande quantidade, o que pode aumentar a sensação de azia, queimação”, finaliza.