O organismo da mulher passa por diversas mudanças significativas ao longo da vida. Isso acontece também durante os nove meses de gestação. Dentre as alterações neste período pode estar o aparecimento do diabetes gestacional, condição caracterizada pelo alto nível de açúcar no sangue.

Segundo o ginecologista Renato de Oliveira, infertileuta da Criogênesis, durante a gravidez os hormônios podem impedir que a insulina cumpra adequadamente sua função e, quando isso acontece, os níveis de glicose podem aumentar no sangue. “O diabetes gestacional, geralmente, começa na metade da gestação e, na maioria das vezes, desaparece após o parto. Vale ressaltar que mesmo a mulher que nunca teve diabete pode apresentar o problema na gravidez”.

O aumento da sede, vontade de urinar frequente e visão turva são alguns dos raros desconfortos que aparecem, já que o diabetes gestacional raramente acaba causando sintomas. Sendo assim, é necessário a realização de exames frequentes. “É extremamente importante que todas as grávidas façam o teste oral de tolerância à glicose entre a 24ª e a 28ª semana de gestação para verificar a taxa de glicemia, desde que a glicemia avaliada no início da gestação esteja normal. Caso esteja elevada, já se pode considerar diabetes”.

Tratamento 

Se o problema for diagnosticado durante a gravidez, o médico deverá acompanhar a gestação de ainda mais perto para que possam ser evitadas complicações como abortamento espontâneo, pré-eclâmpsia, risco de infecção urinária ou respiratória e necessidade de parto cesárea, devido ao tamanho do bebê, que pode ser muito grande. 

Além disso, alguns cuidados com a alimentação e atividade física deverão ser tomados. No caso de dificuldade do controle da glicose no sangue, a insulina poderá ser utilizada.