A luta contra a balança é uma realidade presente na vida de muita gente. E é comum que as pessoas com pressa para emagrecer busquem dietas restritivas, como as com baixos teores de gordura ou carboidrato, diminuição ou isenção de açúcar, jejum intermitente, entre outras. Mas se engana quem acha que essa é a solução. Esses métodos extremistas não fazerem bem à saúde e, como consequência, podem produzir o famoso "efeito sanfona".

O efeito rebote ocorre quando o metabolismo entre em alerta, diminuindo o gasto calórico e estocando energia. Afinal, não se sabe quando e como será a próxima refeição. Uma pesquisa publicada no periódico americano New England Journal of Medicine comprovou que engordar e emagrecer com frequência aumenta o risco de problemas cardiovasculares e de morte prematura, especialmente entre pessoas que já apresentam fatores de risco para doenças do coração, como níveis altos de colesterol. 

Segundo o estudo, pessoas que entram no efeito sanfona com flutuação constante com mais de quatro quilos, por exemplo, têm uma incidência 124% maior de ataques do coração quando comparadas com aquela que mantêm o peso estável a vida toda. O jeito mais eficaz de não sofrer essa consequência é evitar a perda de massa magra e priorizar a perda de gordura, conciliando a atividade física com uma alimentação balanceada, contemplando todos os grupos alimentares, na quantidade certa.

Confira outras dicas para manter o peso:
 
Sono: procure deitar mais cedo, em ambiente totalmente vedado à luz. Ter um sono reparador favorece a produção de hormônios que ajudarão no controle da ansiedade.
 
Fibras e proteínas: fazer a primeira refeição com muitas fibras e proteínas (ovos, quinoa, chia, linhaça, queijos, aveia) ajuda a diminuir a fome e a vontade de comer doce no decorrer do dia.
 
Comida caseira: sempre que possível, faça suas refeições em casa, preferindo pratos simples e preparações pouco elaboradas. Alguns exemplos: verduras, quibebe com cúrcuma ou açafrão, feijões, carnes magras, além de vitaminas, castanhas, oleaginosas, aveia e frutas para os lanches.
 
Mexa-se: mantenha uma meta semanal para atividade física. Se você se exercita menos que cinco horas semanais, ainda é classificado como sedentário pela Organização Mundial de Saúde (OMS).
 
Trânsito intestinal: a prisão de ventre produz enormes quantidades de toxinas que dificultam o sucesso no emagrecimento.
 
Ajuda profissional: deixe de pegar a “dieta da vizinha” e procure um profissional para ajudar na definição do que é mais importante em cada etapa do emagrecimento.