Ganhar peso e engordar podem significar a mesma coisa na cabeça de muita gente. Mas não é assim que funciona. Segundo a nutricionista Nany Sado, não se pode ler os números da balança de maneira literal. "Afinal, engordar é ganhar gordura e perder massa magra. Medir o emagrecimento envolve outras ferramentas e expertises do nutricionista. Não apenas o que a balança aponta", diz a especialista.

Ao mesmo tempo, existem modalidades esportivas em que o sobrepeso faz toda a diferença. E isso não quer dizer que o atleta não tem uma rotina saudável ou baixo percentual de gordura. "É por isso que quando se fala em ganho de peso deve-se ter em mente o ganho de massa magra. Na prática, quando a pessoa está em processo de emagrecimento, mas não nota tanta diferença na balança, é necessário perceber que a rotina de dieta e exercícios físicos deixa o corpo mais compacto e definido. Um quilo de gordura tem um volume muito maior do que um quilo de massa magra", explica Nany.

Para saber se o paciente está reduzindo o percentual de gordura, o nutricionista usa alguns equipamentos e exames. "O adipômetro mede as dobras cutâneas e a espessura do tecido adiposo. A bioimpedância é um exame que analisa o peso corporal. Já o DEXA consiste em um programa de avaliação da composição corporal de forma precisa. É o método mais moderno e exato do mundo".
 
Não existe alimento que engorda

Ainda conforme Nany, a verdade é que não existe um alimento que engorda. O processo de engordar está relacionado a quantidade ingerida e à taxa metabólica basal do paciente, que consiste no número de calorias que o corpo gasta para sobreviver. "É possível comer um alimento calórico e não engordar, desde que esteja dentro das calorias que você necessita diariamente. A lógica contrária também vale. Ao consumir demasiadamente alimentos saudáveis, o indivíduo engorda", garante.

O processo de emagrecimento é extremamente individualizado. De acordo com a profissional, ele começa buscando um nutricionista e identificando os vilões que estão levando a pessoa a engordar. Essa avaliação vai além da dieta, uma vez que envolve os hábitos e a trajetória de vida de cada um.

"Muitas vezes, são crenças limitantes que dificultam o paciente a alcançar suas metas. Estresse, insônia e ansiedade são agravantes. É preciso mexer com a cabeça do indivíduo. Além disso, é importante ter os alimentos como aliados do emagrecimento e não como uma fuga", conclui.