A gravidez não planejada é uma realidade para 55% das mães brasileiras, segundo pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz feita com 24 mil mulheres. Especialistas reforçam que é preciso fazer um planejamento familiar e permitir que a mulher escolha o método contraceptivo livremente, querendo ou não ter filhos. Para isso, é fundamental que elas tenham acesso às informações sobre os variados meios de contracepção, incluindo risco de falhas e efeitos colaterais.

O uso da pílula é mais recorrente do que de outros métodos. Segundo a pesquisa global Think About Needs in Contraception (TANCO), realizada pela Bayer com apoio da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), 33% das 1.113 brasileiras entrevistadas tomam o comprimido. Porém, como cada corpo reage de uma forma diferente, algumas mulheres preferem abandonar o anticoncepcional. 

"Eu estava insatisfeita. Tomo desde os 18 anos. Eu tinha o humor muito depressivo, não tinha lubrificação nem desejo sexual. Para piorar, minha terapeuta e eu chegamos ao consenso de que ele potencializava minhas crises de depressão", conta Janine Oliveira, assistente de pesquisa e informações, de 23 anos.

Após mais de um ano querendo parar com o método e qualquer outro que incluísse hormônios na composição, ela decidiu colocar o dispositivo intrauterino (DIU) com cobre. Introduzido no útero, o elemento químico contido no aparato impede o encontro do óvulo com o espermatozoide. A vantagem desse e de outros meios de contracepção de longa duração é não depender da memória para se prevenir, algo que é essencial com a pílula, todos os dias.

Juliana Mezzaroba, de 33 anos, também colocou o DIU, mas do tipo hormonal e motivada pelos efeitos colaterais: reduzir o fluxo menstrual e as cólicas. Três anos após colocar o dispositivo, ela ainda sente dores, porém menos intensas e que são aliviadas com um remédio. "Hoje sou uma pessoa normal. Antes, incontáveis vezes tive de ir ao pronto-socorro para tomar remédio na veia porque desmaiava", relata a programadora musical.

O que foi bom para elas e o que as motivaram pode não valer para outras mulheres. E tudo bem. Se a pessoa sente-se confortável tomando anticoncepcional e não se imagina colocando o DIU porque dói (sim, dói, e falamos mais disso abaixo), está tudo bem. O importante é que a mulher tenha escolhido seu método contraceptivo livremente, sabendo de todos os prós e contras.

Como o DIU funciona?

O dispositivo intrauterino é um método contraceptivo que age localmente, no útero. Ele pode ser feito com cobre, cujo prazo de validade é de dez anos dentro do corpo, ou com hormônio (progesterona), que vale por cinco anos. Nesses períodos, a mulher não precisa se preocupar com a possibilidade de engravidar, mas pode, se quiser, retirar o dispositivo a qualquer momento. A taxa de segurança do DIU é de mais de 99%, mas ele não protege contra infecções sexualmente transmissíveis, então é fundamental associá-lo com preservativo.

Já viu aquela foto de um bebê que nasceu com o DIU grudado na cabeça? Até pode acontecer, mas é bem raro. Segundo a ginecologista Ilza Monteiro, membro da diretoria da Febrasgo e uma das autoras do estudo TANCO, a cada mil mulheres que colocam o DIU, três engravidam num período de um ano.

Diferente do que algumas pessoas dizem ou pensam, o dispositivo não provoca infertilidade nem interfere nas chances de engravidar após retirá-lo. "Depois de usar, a mulher vai engravidar tão fácil quanto se não tivesse usado o DIU. Ele não traz risco a mais", afirma Ilza.

Retomando, uma das primeiras vantagens do dispositvo é que a mulher não precisa lembrar de se proteger. No caso da pílula, 47% das brasileiras se esquecem de tomá-la ocasionalmente, sendo que um terço deixou de tomar de uma a duas vezes nos três meses anteriores à pesquisa. Esse uso inconsistente é um dos fatores para a gravidez não planejada.

Segundo a TANCO, 37% das mulheres de 18 a 29 anos não planeja ter filho no futuro e 19% não pensa em ser mãe nos próximos cinco anos. O número sobe entre aquelas de 30 a 39 anos: 39% não planeja engravidar no futuro e 35% não se vê tendo filhos pelos próximos cinco anos. Dessa forma, por ter ação no longo prazo, o DIU pode ser uma opção a ser considerada.

A pesquisa da Bayer mostrou que apenas 2% das brasileiras usam o DIU de cobre e 6% tem experiência com o DIU hormonal. A baixa adesão, segundo a especialista, é motivada pela falta de informação. Tanto que a pesquisa indica que 70% das mulheres considerariam o contraceptivo de longa duração se recebessem informações de seus médicos.

No geral, mulheres jovens ou maduras, que tiveram filhos ou não, podem colocar o DIU. As contraindicações são bem específicas: pacientes com infecções, má formação do útero, câncer do colo de útero ou do endométrio, estreitamento do canal do colo uterino e sangramento vaginal sem diagnóstico. Outras situações devem ser avaliadas pelo médico.

DIU com cobre

É a escolha certa para quem opta pelo dispositivo e não quer hormônios sintéticos no corpo. Pela quantidade do elemento químico no útero, o aparato proporciona um ambiente hostil para o espermatozoide, impedindo que ele se encontre com o óvulo. Mas nem tudo são flores. No geral, a desvantagem é que o DIU de cobre pode aumentar os dias e a intensidade do fluxo menstrual e das cólicas.

"Com anticoncepcional, eu tinha cólicas fortes. Nos primeiros meses do DIU piorou absurdamente. Hoje são fortes ainda, mais fortes do que com anticoncepcional, porém muito mais pontuais, sei os dias que vou ter", conta Janine. Outro aspecto que pode incomodar algumas mulheres é o aumento da quantidade de dias de fluxo, podendo chegar a quase dez.

Apesar disso, ela prefere e recomenda esse método. "Melhorou física e emocionalmente. Até as coisas que odeio, que é o ciclo mais longo e forte, é preferível. É uma ótima alternativa, sem contar a durabilidade e a despreocupação", afirma a jovem. "Eu ando bem menos preocupada com contracepção, confio bastante no DIU."

O Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza o DIU de cobre para as mulheres. Clique aqui e saiba aqui como proceder. O dispositivo pode ser colocado logo após o parto normal, depois da saída da placenta, ou mesmo durante a cirurgia da cesárea. Veja aqui os métodos contraceptivos oferecidos pelo SUS.

DIU hormonal

Ao contrário do dispositivo com cobre, o com hormônio tende a reduzir a intensidade do fluxo menstrual. "Ele diminui o risco de anemia, diminui cólica e é uma vantagem para quem tem endometriose", diz a ginecologista Ilza. O DIU hormonal age da mesma forma que o de cobre: a ovulação ocorre normalmente, mas ele impede que o espermatozoide suba até o óvulo devido à liberação de progesterona no útero.

Juliana, que tinha o fluxo muito intenso e cólicas fortes, sentiu os benefícios, mas não num primeiro momento. Ela sangrou durante três meses após a implantação do DIU, praticamente todos os dias. "Tanto que fiquei com baixa de ferro no sangue", conta. Mas a experiência dela não é padrão. Algumas mulheres podem se adaptar mais facilmente e não sangrar tanto. Conforme ela queria, o fluxo diminuiu, mas os dias que passa menstruada aumentaram para até dez também. Ainda assim, para ela, são mais prós do que contras.

Dói colocar o DIU?

A questão da dor varia de acordo com a sensibilidade de cada mulher: para umas, pode ser muito tranquilo; para outras, muito doloroso. No geral, é desconfortável e os médicos dizem que é como sentir uma cólica forte. Juliana considera que, no caso dela, foi "muito dolorido". "Senti três agulhadas no útero, cólica muito forte." Antes, ela tomou um remédio para tentar aliviar a dor.

Janine passou pelo mesmo. "Foi um processo doloroso e os primeiros meses também: sangramento quase ininterrupto, cólicas absurdas, ter de acostumar com meus próprios hormônios e não os sintéticos", diz. A ginecologista afirma que o relato de dor é menos comum em mulheres que fizeram parto normal, por exemplo.

Como se coloca o DIU?

O procedimento é feito em consultório pelo ginecologista. O dispositivo pode ser inserido em qualquer fase do ciclo menstrual, desde que se tenha certeza de que a mulher não está grávida nem possui contraindicações. Há preferência por colocar o DIU durante a menstruação porque a inserção é mais fácil devido à dilatação do canal cervical e pode causar menos dor.

A ginecologista Ilza afirma que em 85% dos casos, o DIU é inserido facilmente. É possível colocá-lo sob sedação, mas ela não recomenda. "É melhor colocar sem sedação, com controle da dor. Ansiedade e medo são os principais motivos para sentir dor. Se a mulher confia no médico, está tranquila na hora, não é nenhum bicho de sete cabeças", diz.

Depois de um mês, a mulher precisa fazer uma ultrassonografia para saber se o DIU está devidamente no lugar. Nesse período, há um maior risco de expulsão do aparato, mas é raro, segundo Ilza.