A cirurgia bariátrica, já bastante conhecida, é uma intervenção para redução do tamanho do estômago. O procedimento é indicado para pessoas com obesidade avançada, com Índice de Massa Corporal (IMC) maior ou igual a 40 ou que tenham entre 35 e 40 co-morbidades associadas.
 
Considerada a melhor alternativa para o tratamento da obesidade quando outras opções não obtiveram êxito, o sucesso da bariátrica também depende muito do paciente, que precisa seguir corretamente as recomendações médicas pós-cirúrgicas.
 
O pós-operatório demanda cuidado intenso com a alimentação. No primeiro mês, por exemplo, a ingestão alimentar é restrita a líquidos. Em seguida vem a dieta pastosa e, apenas mais tarde, os alimentos sólidos. “Tudo deve ser bem fracionado para evitar engasgo e vômito”, explica o gastroenterologista Luiz Henrique Filho.
 
O médico ressalta, ainda, que o tempo de recuperação total depende da reação de cada paciente, mas dura, em média, de seis meses a um ano. Nesse período, a pessoa vai perdendo peso gradualmente, com maior velocidade nos primeiros meses após o procedimento.
 
Manutenção
 
Problemas para controlar o peso podem começar a surgir depois do segundo ano da realização da cirurgia. Nesse momento, o apetite tende a aumentar e o peso pode estabilizar ou subir. A taxa de reganho chega a 30%, dependendo do caso. Por isso é tão importante que o operado siga a dieta e outras recomendações dos especialistas.
 
“Para que a perda de peso seja devidamente controlada a longo prazo, é necessário ter acompanhamento de médico, nutricionista, psicólogo, educador físico, entre outros profissionais”, destaca Luiz Henrique, ponderando que controlar as tentações e a vontade de comer não é fácil e que por esse motivo a orientação multidisciplinar faz a diferença. “O paciente também precisa se esforçar durante todo o processo e entender que é necessário adotar hábitos saudáveis para usufruir do novo corpo pelo resto da vida”, acrescenta o gastroenterologista.