O Brasil é o país com maior prevalência de pessoas ansiosas no mundo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), que atinge 18,6 milhões de brasileiros (9,3% da população) A ansiedade é um transtorno que além de estressar, tirar o sono, ela pode gerar distúrbios alimentares.

Neste contexto, fizemos algumas perguntas sobre ansiedade e alimentaçao para a nutricionista *Nicolle Seronni. Ela é sócia fundadora da clínica e Spa Evoé. A profissional atua há mais de 10 anos em consultório com o foco em educação alimentar.

Nicolle aplica uma abordagem funcional integrativa, atendendo cada paciente de forma completa e individualizada. Acredita que, para uma saúde plena, é preciso alinhar mente, corpo e energia.

Quais são os alimentos que diminuem a ansiedade e ao mesmo tempo são saudáveis?
Uma alimentação saudável, rica em comida de verdade (como frutas, verduras, legumes, tubérculos, grãos integrais) modulam e equilibram o individuo ao estimular o organismo a produzir melhor os neurotransmissores do bem estar, como a serotonina, dopamina e o GABA. Alimentos como a banana, quinoa, ovos, semente de girassol, castanhas, grão de bico, cacau, kiwi, amaranto e peixes são ricos em triptofano, magnésio, complexo B e ômega 3 estimulando essa produção e logo, o bem estar.

Quais as melhores indicações para pessoas que tem ansiedade elevada?
Atualmente sabemos que o intestino (microbiota) afeta diretamente o sistema nervoso central do hospedeiro. Já ouviram falar na expressão “estou enfezada”? Sim, quando o intestino não esta funcionando bem, a pessoa tende a ficar mal humorada e mais ansiosa. Cuidar da saúde intestinal com probióticos e fibras prebióticas além dos alimentos saudáveis (citados anteriormente) e evitando alimentos ultra processados, açucarados e bebidas alcoólicas se tornam imprescindível nesses casos. O cuidado com o intestino, a atividade física, praticas de meditação, exercícios de respiração, um sono reparador, consumo de chás calmantes e óleos essenciais como a lavanda são as melhores indicações para indivíduos com ansiedade elevada.

O que é bom evitar?
Para redução da ansiedade é importante evitar o consumo exagerado de carboidrato simples como pão francês, arroz branco, massa, evitar alimentos ultra processados ricos em corantes, conservantes e aditivantes, reduzir o consumo de açucarados, bebida alcoólica. Evitar o uso exagerado da cafeína (máximo 3 xícaras por dia) e da gordura saturada da carne vermelha. Pessoas estressadas tendem a comer mais esses tipos de alimentos como uma “recompensa” do cansaço entrando em um ciclo vicioso.

O chocolate é uma boa opção, ou deve ser evitado?
O chocolate se torna um aliado desde que tenha um maior percentual de cacau em sua composição (acima de 70%), pois quantidades inferiores são ricas em açúcar, o que pode agravar o quadro de ansiedade. O cacau é rico em substâncias antioxidantes, magnésio, ferro, zinco e vitamina B12. Estudos da University College London (UCL) concluíram que o consumo moderado de cacau pode reduzir em até 70% o risco de depressão. Então o ideal seria o consumo de 25 a 50g por dia, ou seja, “2 quadradinhos”.

A má alimentação pode aumentar a ansiedade?
A má alimentação contribui para um desequilíbrio na flora o que chamamos de disbiose, logo um descontrole na produção dos neurotransmissores do bem estar como citados anteriormente, assim aumentando a ansiedade e gerando vícios alimentares como açúcar, gorduras, alimentos processados e bebida alcoólica, ativando também o sistema recompensa que faz com que o individuo não consiga sair desse ciclo.

Quais são as vitaminas essenciais?
Vitaminas do complexo B e a vitamina D são as mais importantes nesse processo. Além do mineral magnésio, gorduras mono e poli insaturadas.

*Nicolle Seronni: graduada em Educação Física, Pós-graduação em Nutrição Funcional e Fitoterapia.