A moda do próximo verão promete ser bastante colorida, com bordados e caprichada em texturas artesanais, tanto em roupas do dia a dia como em biquínis e maiôs. Essas são algumas das tendências que devem ganhar as passarelas na 14ª edição da Goiânia Fashion Week (GFW), que começa hoje e segue até sexta-feira, a partir das 20 horas, no Palácio da Música no Centro Cultural Oscar Niemeyer. Serão três dias de desfiles e o encerramento com uma noite de shows.

Com o tema Arte e Cultura, a edição 2019 da GFW traz para as passarelas 45 marcas, como as grifes nacionais Jorge Bischoff, Siberian e Riachuelo, as regionais Maria Rosa, Duuo e Manga Rosa e a internacional Swarovski. Os looks serão inspirados no conceito de dança, música e na diversidade cultural. “A proposta é apresentar coleções conceituadas nessa temática e marcadas pelo conforto, praticidade e versatilidade”, adianta a coordenadora geral do evento, Neiva Evangelista.

Entre as celebridades que participam da semana de moda goiana, estão as modelos Dani Bolina, Helen Ganzarolli, Adriana Bombom e Aline Riscado. Na abertura da GFW, desfilam o ex-BBB Eliéser Ambrósio, pelas marcas Hangar 33 e Texmalha, e a apresentadora Fernanda Motta, pela Manga Rosa, Maria Rosa, Carolina Millar, A Piruinha, Carolina Millar, 03 Elas e Siberian. Fecham o primeiro dia de atrações as grifes Jorge Bischoff, Swarovisk, DDG, Melissa e Riachuelo.

Goianas

A goiana DDG underwear, marca de roupas íntimas masculina com pegada casual e esotérica, também é um dos presentes na abertura. É a primeira vez que a grife participa da GFW. Serão apresentadas 15 peças que pretendem revelar o lado sensual do homem sem questionar a sexualidade e com muito conforto. “O nosso desfile será ousado, com drag queen, bixessuais e mulheres, apostando em cores como prata, dourado e o preto”, revela o proprietário da grife, Davy Damasceno.

No desfile, serão apresentadas cuecas modelos slip, boxer, fio dental, jockstraps, bermudas e transversal. Davy Damasceno conta que a ideia da coleção é levantar o debate que a sensualidade do homem não está ligada a sua peça íntima. “Percebo que existe muito preconceito com a minha marca por serem ousadas. Só que a gente se preocupa com o design e o conforto. São peças para você usar não somente em ocasiões especiais, mas também no dia a dia”, diz ele, que cria, fabrica, vende e ainda é o modelo fotográfico na hora de divulgação da sua grife, criada em novembro de 2018.

Outra goiana no desfile de abertura é a Maria Rosa, que participa pelo segundo ano do evento. A coleção apresentada foi criada após pesquisa com o público, que pediu mais liberdade na hora de se vestir na nova coleção da grife. A partir daí, foi criada o tema Menos Tendência, Mais Essência. Serão dez looks com peças abusando de cores vibrantes, como laranja, azul e goiaba. Na passarela, macacões, vestidos e saias estampadas serão alguns dos protagonistas.

A coleção foi produzida durante quatro meses após período de pesquisa de cores e modelagem. “É bem diferente de tudo que a gente já propôs ao longo de três anos da criação da marca. Procuramos modelos que pudessem transmitir isso. Usar roupas em qualquer momento e, principalmente, se aceitar do jeito que você é. Partimos da proposta de liberdade para ousar no guarda-roupa”, afirma Aline Borges, proprietária da marca.

Carnaval como inspiração

A marca goiana Duuo é a responsável por abrir o segundo dia da Goiânia Fashion Week. O tema do desfile será Nação Brasileira e a apresentação será dividida em quatro blocos, em um total de 22 looks. A primeira parte do desfile conta as raízes do Brasil, exaltando o índio e o negro e com cores como preto, vermelho e o verde. “É muito dramático o início, já que nossa história foi banhada a sangue”, revela a estilista Auriele Moraes da Silva.

O segundo bloco traz peças que simbolizam a luta do povo e palavras de ordem, como luta, rebeldia, força e vida, que são bastante característicos nas produções da Duuo. As cores presentes nessa etapa são o laranja, rosa, branco, preto e o azul. O terceiro representa a cultura brasileira, com referências indígenas, afro e traz peças trabalhadas com formas geométricas e com tons mais sombrios, caso do bordô. O quarto é uma mistura de tudo que foi apresentado, apostando no preto e no dourado representando a nobreza do povo.

“É como se fosse um desfile de carnaval mesmo”, destaca Auriele Moraes. A estilista conta que a criação da coleção começa logo após o evento. São seis meses de pesquisas de tendência, modelagem e da história que será retratada. A curiosidade da produção é que a própria estilista pinta quatro obras e cada uma representa um bloco na passarela. “É uma apresentação que alia moda e arte, carregada de palavras de ordem”, comenta ela, que também é artista plástica.

Som da pesada

O último dia de evento será marcado por música pesada. Na programação, destaque para a banda de hardcore/metalcore Gloria, formada em 2002, em São Paulo. O grupo é atualmente composto por Mauricio Vieira (vocal), Elliot Reis (guitarra e vocal), Alexandre Peres Kenji (guitarra), Thiago Abreu (baixo) e Leandro Ferreira (bateria). O repertório deve contar com grandes sucessos, como Horizontes, A Arte de Fazer Inimigos e A Chama.

Outra atração da noite são os roqueiros paulistanos do Hateen, que tem mais de 20 anos de carreira. Formado por Rodrigo Koala (vocal) Fábio Sonrisal (guitarra), Leon Luthier (baixo) e Thiago Carvalho (bateria), o conjunto deve apresentar faixas do disco Não Vai Mais Ter Tristeza Aqui. Além deles, estão na agenda shows dos goianos A Última Theoria e Desert Crows, Intereffect (SP) e DJs convidados.

Serviço:

14ª Goiânia Fashion Week
Data: de hoje a sexta-feira
Horário: abertura dos portões às 20h
Local: Palácio da Música no Centro Cultural Oscar Niemeyer – GO-020, km 0, saída para Bela Vista
Ingressos: para os três primeiros dias, podem ser retirados gratuitamente com as lojas participantes. O encerramento se dará mediante a troca de 2 kg de alimentos não perecíveis
Informações: 98603-7488