Espaço de armazenamento extra ou puramente um elemento estético... Os motivos para investir na execução de nichos e prateleiras na decoração são muitos. Por serem elementos versáteis e que permitem aproveitar até mesmo uma sobra de um ambiente ou uma parede, caíram na graça dos arquitetos e designers de interiores que buscam soluções para otimizar os espaços de forma inteligente e bonita. Entusiasta desses recursos e com projetos criativos, o arquiteto Bruno Moraes apresenta algumas dicas para quem quer apostar em ambos.

Para começar, o profissional enfatiza a diferença. Em linhas gerais, os nichos se configuram em formas fechadas, como retângulos, quadrados e até círculos. Já a prateleira apresenta-se de forma aberta e linear. “Tanto um como o outro nos permitem uma criatividade infinita. São plurais, e é isso que tanto apreciamos no décor”, explica Bruno. Muito além da ideia de aproveitar, de maneira proposital, nichos e prateleiras ocupam aquele vazio na parede, que geralmente seria aproveitado apenas por um quadro. Entre os materiais, ele destaca a madeira (incluindo o MDF), alvenaria e o drywall.

Ao decidir utilizar um nicho embutido na parede, é preciso verificar a existência de infraestrutura dentro da parede, evitando problemas com encanamentos de água ou gás, por exemplo. “Há também o caso de paredes estruturais, colunas e vigas, que não podem ser quebradas sob o risco de prejudicar a estrutura da edificação”, detalha Bruno.

O próximo passo é definir o tamanho do nicho antes de quebrar as paredes. Em banheiros, onde o uso tornou-se tendência, a profundidade entre 10 a 15cm é suficiente para acomodar os itens de higiene. Já em salas de estar, cozinhas ou dormitórios, o tamanho deve ser um pouco maior, sempre levando em consideração o que será armazenado. “Sempre recomendo medir os itens que serão colocados nos nichos, para que assim o componente cumpra a sua função”, explica o arquiteto.

Eliminando o quebra-quebra de paredes, os nichos de madeira, realizados sob medida ou comprados pronto, propiciam uma utilização mais abrangente, pois basta fazer alguns furos na parede para a perfeita instalação das peças. “A finalidade é basicamente a mesma e, como vantagem, podemos ressaltar a fácil instalação e um custo mais baixo”, afirma o arquiteto, que também aposta em montagens diversas, seguindo uma formatação padrão, assimétrica ou com tamanhos diferenciados.