É só as temperaturas baixarem um pouquinho nos termômetros de Goiás para tirar o casaco que estava guardado no canto do guarda-roupa. O frio passa rápido por aqui e em questão de dias sol e a baixa umidade já esquentam a cabeça. No período que antecede os meses mais quentes do ano – julho, agosto e setembro –, diversas coleções de marcas autorais goianas apostam no conforto, praticidade e estilo.

Da ressignificação de peças, passando pelo aconchego e conforto, até chegar na representatividade do guarda-roupa, a moda em 2020 percorre constantes transformações em decorrência do isolamento social. Em escalas menores propagadas pelo slow fashion e produtos mais específicos conforme estilo e comportamento do consumidor, a pergunta que se faz é: “Quem faz a minha roupa?”

“Está sendo uma surpresa positiva. Mesmo com um cenário desfavorável, os pedidos não pararam, apesar das mudanças consideráveis no perfil de vendas”, destaca a empresária Maisa de Oliveira, à frente da Estação Fofura. Diversas coleções brincam com estilo e bem-estar em composições que focam no período de inverno, mas sem se esquecer da quarentena ante a pandemia do novo coronavírus.

Na coleção de inverno criado por Raphael Aquino, diretor criativo da marca Jacobina, as questões culturais e de comportamento pautam uma coleção artística focada em sobreposições de camadas. “Sabemos que a moda é uma importante plataforma; então, buscamos ir além da roupa nas nossas coleções. Para nós, a moda é também uma forma de dizer e por isso temos como traço marcante discutir o que torna o humano único e singular”, destaca o profissional.

A conexão mais consciente com o meio ambiente, a produção em baixa escala e a reutilização de materiais e descarte de resíduos também entram em cheque no inverno 2020. Na Thear Vestuário, o designer Theo Alexandre experimentou técnicas artesanais para criar peças únicas, em trabalhos de despigmentação de fibra. “Nossas escolhas são responsáveis com o meio ambiente, com tecidos resgatados de sobras de estoques que perderam valor de tendência”, explica.

Os tipos diversos de biótipos destacam as transformações na consciência editorial contemporânea. Pensando em corpos com medidas diferentes, a Duo47 desenvolve peças em modelagens que abraçam a representatividade de medidas. Diversos looks possuem modelagem democrática e com a possibilidade de reutilização das peças. Nessas páginas do POPULAR, você fica por dentro de coleções de marcas autorais goianas de alternativos perfis.