Muitos pais convivem com a dúvida se estão criando corretamente seus filhos, se preocupando, inclusive, com o fato de eles estarem se tornando excessivamente consumistas. Infelizmente, não é simples saber quando isso ocorre, mas há alguns pontos que podem e devem ser observados na atitude das crianças. “É normal que os pequenos sintam desejos sobre as coisas que veem, mas é importante que se tenha em mente que grande parte desses desejos são imediatistas, ou seja, passageiros. A situação começa a ficar complicada quando a criança acredita ter necessidade de possuir tudo aquilo que lhe é sugestivo e, quando não consegue, faz birra”, afirma o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Reinaldo Domingos. 

Veja oito passos preparados pela DSOP Educação Financeira para identificar se a criança é consumista:

1- Observe se ela fica "hipnotizada" frente às propagandas em sites, no intervalo de seus programas favoritos ou se, pelo contrário, as chamadas não despertam grande interesse a ponto de fazê-la desejar tudo o que vê;

2- Atente-se a forma como ela fala sobre os itens que seus amigos e colegas têm, observando se deseja ter também para se sentir identificada e aceita no grupo ou se, pelo contrário, ela não costuma se deixar influenciar pelos outros;

3- Observe a reação da criança ao perceber que não poderá ter aquilo que deseja naquele momento, constatando se ela age com maturidade e busca compreender a situação ou se chora, esperneia e faz birra;

4- Procure saber se a criança tem apenas desejos imediatistas (por coisas que quer, mas que pode viver sem) ou se tem sonhos, anseia por itens que tem significado e importância em sua vida;

5- Procure saber se ela planeja formas para conquistar aquilo que deseja. O planejamento é uma das mais importantes atitudes de quem é educado financeiramente, algo que diminui o consumismo desenfreado;

6- Caso ela receba mesada, verifique se ela poupa parte do valor para os seus sonhos ou se não faz isso e/ou não consegue passar o mês com o que ganha e acaba pedindo mais dinheiro;

7- Observe se ela é cuidadosa com os presentes que ganha ou se deixa de lado, esquece em algum lugar ou quebra rapidamente;

8- Identifique se a família é consumista. As crianças “herdam” hábitos e costumes de seus familiares. Por isso, é importante que os adultos busquem se educar financeiramente e melhorar seus comportamentos em relação ao uso do dinheiro.

As crianças têm muitos sonhos e desejos, mas na maioria das vezes não sabem quanto custa e por quanto tempo é necessário esperar para conquistar. A falta de paciência e o constante desejo por coisas novas são indícios de que elas já podem aprender a importância de um planejamento. Se identificado que a criança é consumista, o primeiro passo é conhecer as origens do problema. “A maioria irá rapidamente falar que a culpa é da TV ou do marketing publicitário. Isso é um grande erro, pois por mais que possa se auferir a esses uma parcela de culpa, os maiores responsáveis pelos comportamentos, atuais e futuros, dos filhos sempre serão os pais. É comum observar famílias delegando responsabilidades como forma de se isentar de culpa e isso não ajuda na solução do problema”, lembra Domingos.  

É importante sim que os pais se atentem às influências externas, considerando limitar ou controlar o acesso das crianças às mensagens publicitárias e conversar com eles sobre seus desejos e anseios, além de observar com quem os filhos estão se relacionando. Contudo, o principal, segundo o especialista, é ter consciência de que os filhos herdam grande parte de seus hábitos dos pais.  “Se os hábitos e costumes da família forem positivos em relação ao uso do dinheiro, eles tendem a prevalecer na vida dos filhos. Isso, certamente, evitará que as crianças se tornem adultos endividados e com problemas financeiros”.