O "xixi na cama" é uma condição muito frequente, que atinge cerca de 15% das crianças com mais de cinco anos de idade. Mas se as perdas involuntárias se tornarem recorrentes, a ajuda de um médico é essencial para evitar mais transtornos na família. De acordo com a urologista Atila Rondon, com atuação em urologia pediátrica, a condição pode ocorrer devido a fatores genéticos relacionados à quantidade de urina produzida pela criança durante a noite ou à disfunção da bexiga durante o sono, ocorrendo, portanto, sem qualquer culpa por parte da criança.

Valorizar as noites secas também é uma etapa importante do tratamento que precisa ser feita com carinho e paciência. Uma dica do especialista é utilizar um calendário e marcar com adesivos coloridos ou estrelas sempre que a criança conseguir ficar seca durante a noite. "Propor algum passeio especial em família, após uma semana sem a criança acordar molhada, também é uma maneira de aproximar e proporcionar mais união à família", diz.

Confira os principais sinais que merecem a atenção dos pais:

1. Cama molhada após os 5 anos

Se o seu pequeno nunca chegou a mostrar um padrão de noites sequinhas após os cinco anos, é preciso procurar a ajuda de um pediatra. A persistência dos episódios de xixi pode caracterizar a chamada enurese primária, que é quando a criança não apresenta períodos prolongados de controle da urina.

2. Cama molhada após ter adquirido o controle

Quando a criança chega a ficar por um período de seis meses ou mais sem fazer xixi na cama e volta a molhar depois desse tempo, é importante procurar ajuda de um pediatra e até mesmo de um psicólogo. Isso porque, nesses casos, as perdas estão geralmente associadas a fatores emocionais (estresse, medo, tristeza, ansiedade, entre outros). Quando há essas perdas de xixi sem motivo aparente, é chamado de enurese secundária.

3. Alterações de cor no xixi

É importante que os pais verifiquem também possíveis alterações na coloração da urina. Xixi cor mel ou âmbar podem indicar desidratação. Se estiver na cor laranja, está relacionado com a falta de água ou problemas biliares, por exemplo. Ao verificar mudanças de cor, é importante que a criança se consulte com um urologista, que irá diagnosticar as possíveis causas.

“É importante lembrar que os episódios de xixi na cama podem abalar emocionalmente a criança, deixando-a desmotivada e fazendo com que ela tenha uma vida social mais reclusa. Caso o hábito de molhar os lençóis durante o sono esteja interferindo no dia a dia do seu filho, leve a questão a sério. Há muitos casos da persistência da enurese na vida adulta por conta da ausência ou tratamento inadequado na infância. No site Sem Xixi na Cama, pais podem baixar, gratuitamente, um diário que pode ajudar no diagnóstico e tratamento da enurese", finaliza Atila.