As crianças devem adquirir hábitos saudáveis desde a primeira infância. No que se refere à saúde bucal, é muito importante que os pequenos aprendam com os pais como usar o fio dental, a escovar os dentes e evitar alimentos açucarados para, com isso, garantir uma boca saudável. Esses cuidados devem ser iniciados ainda com os primeiros dentinhos, conhecidos como ‘dentes de leite’. Afinal, a primeira dentição é fundamental para a saúde dos próximos dentes.

Segundo a odontopediatra Maria Cláudia Tureli, a preocupação começa antes mesmo do nascimento. A futura mamãe deve ser orientada sobre todos os cuidados bucais, importantes para ela e o bebê. "Depois de amamentar, a mãe deve pegar uma gaze ou uma fralda bem higienizada, enrolá-la no dedo indicador e molhá-la com água filtrada e fervida. Feito isso, deve passar delicadamente em toda a cavidade bucal do bebê, incluindo língua, bochechas, céu da boca, gengivas e o fundo do sulco, parte mais funda entre a gengiva e o fundo da boca.”

Os primeiros dentes de leite aparecem, em média, entre quatro e dez meses. Até os três anos, todos os 20 dentes já deverão ter nascido. "Existe o mito de que os dentes precisam ser escovados três vezes por dia, mas o correto é que toda vez que a criança coma algo, escove os dentes. Comeu, escovou. Essa é a receita para garantir um bom sorriso", explica a dentista.

As primeiras visitas ao odontopediatra devem ser feitas já no primeiro ano de vida, com retorno a cada três ou seis meses. “Isso permitirá que o dentista faça um acompanhamento em relação à presença de cáries, ao desenvolvimento craniofacial, assim como à postura e ao posicionamento dos dentes, a chamada oclusão dentária. Também é possível verificar precocemente qualquer patologia, como o nascimento de dentes a mais ou a falta deles, além de anomalias dos lábios, das bochechas ou da língua”, afirma Maria Cláudia.

Seja o exemplo

A maioria das crianças reclama na hora de escovar os dentes. Isso exige muita paciência e criatividade dos pais. Um dos passos mais importantes é dar o exemplo, ou seja, mostrar para o pequeno que escovar os dentes é um hábito saudável. "Após as refeições os pais devem reservar alguns minutos para usar o fio dental e escovar os dentes junto com seus filhos. Para tornar essa atividade mais lúdica, podem recorrer a músicas e aos brinquedos", ensina a odontopediatra, acrescentando que hoje em dia já existem diversos aplicativos que ensinam as crianças a fazer o uso correto da escova e do fio dental. Mas nada melhor de que a ajuda de um profissional especializado.

Distância dos doces

Quando se fala em saúde bucal infantil, a alimentação deve ter atenção especial. Alimentos açucarados precisam ser evitados, pois, quando associados a uma higienização bucal deficiente, podem propiciar o surgimento de cáries.

Recentemente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu a recomendação de que o consumo de doces não ultrapasse 10% do total de calorias ingeridas diariamente, mas a entidade ressalta que o ideal para a saúde é que o consumo diário de açúcar fique reduzido a 5% das calorias ingeridas (cerca de 25g de açúcar por dia).

Também há estudos que comprovam a relação direta entre a ingestão de doces e o aumento de casos de processos inflamatórios. "Por isso, os pais devem incentivar a ingestão de alimentos naturais. Uma dica é deixar frutas já lavadas sempre ao alcance das crianças", diz a especialista.

Problemas comuns

Além das cáries, velhas conhecidas, um problema bastante comum durante a infância é a má oclusão ou mordida aberta, quando as arcadas superior e inferior não se encaixam corretamente. O problema acontece principalmente em crianças que têm o hábito de tomar mamadeira, chupar o dedo ou usar chupeta. Também são comuns os traumas nos dentes ou na face, já que nos primeiros anos de vida as crianças estão aprendendo a andar e ainda não têm boa coordenação motora, o que facilita as quedas.

Com relação aos dentes desalinhados, Maria Cláudia esclarece que os pais não devem aguardar a dentição permanente para iniciar um tratamento ortodôntico. "Nessa fase é importante realizar a remoção de hábitos como o de chupar dedo, por exemplo, e trabalhar para a melhoria dos contatos dentários.”

Também é importante o acompanhamento do crescimento craniofacial, baseado na documentação ortodôntica, para avaliar se há necessidade de uma intervenção precoce em casos como atrésia maxilar (mau desenvolvimento do palato) e crescimento excessivo da mandíbula. O tratamento deve ser feito em conjunto por odontopediatra, ortodontista, otorrinolaringologista e fonoaudiólogo.

Outras ocorrências bastante comuns em crianças são as doenças periodontais. O sangramento gengival durante a escovação representa uma das maiores queixas nos consultórios. A presença de tártaro nos dentes incisivos centrais permanentes também é um problema recorrente.

Balança, mas não cai

Muitos pais ainda ficam em dúvida se os dentes de leite devem ou não cair sozinhos, quando eles começam a ficar bem molinhos ou quando o incisivo permanente nasce por trás do dente de leite. Maria Cláudia explica que isso não é motivo de preocupação. "Muitas vezes, problemas assim acontecem porque as crianças não foram estimuladas a balançar o dente de leite ou a ingerir alimentos mais consistentes que facilitam a queda", pontua.