O mês de outubro é conhecido mundialmente pela campanha Outubro Rosa, período de conscientização da prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), essa doença cresce em cerca de 28% a cada ano e atinge cada vez mais mulheres ao redor do mundo. “O câncer de mama afetará aproximadamente 12% das mulheres ao longo da vida”, explica a cirurgiã plástica Anne Groth. 

Conforme a especialista, a orientação é que as mulheres estejam sempre atentas às alterações na mama. "Seja no mamilo, na pele ou, até mesmo, à presença de algum nódulo fixo, endurecido e, geralmente, indolor. Se qualquer desses sintomas aparecerem é fundamental procurar seu médico", reforça. 

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos (NIH), em 62% dos casos a doença é diagnosticada em estágios iniciais. Nessa situação, a sobrevida é de 98,7%. Por isso, a sociedade brasileira de mastologia recomenda que, a partir dos 40 anos, os exames de prevenção, como a mamografia, sejam realizados anualmente (o ministério da saúde aconselha às mulheres acima de 50 anos fazerem mamografia a cada dois anos).

“O Outubro Rosa traz informações para pacientes muitas vezes distraídas com o tema. Aumentando a compreensão, elas podem identificar um sintoma precocemente e procurar assistência médica ainda na fase inicial da doença e com alta chance de cura”, diz Anne. 

Reconstrução mamária 

O tratamento do câncer de mama inclui a reconstrução mamária, garantida pela lei 12.802, de 24 de abril de 2013. O procedimento pode ser realizado por meio de operadoras de saúde e pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Segundo a especialista, a cirurgia pode ser feita no momento da retirada da mama, ou seja, reconstrução imediata, que influencia positivamente o tratamento. 

"Nesse momento, são alcançados os melhores resultados estéticos e evita-se que a paciente fique com sequelas - a falta da mama - mesmo que temporariamente. Porém, em algumas situações clínicas específicas, a cirurgia pode ser feita de forma tardia, o que dependerá da indicação do médico", explica a cirurgiã.  

Existem duas maneiras principais de reconstrução mamária, a feita com tecidos próprio (autóloga) e a com implantes de silicone. Atualmente, por conta da recuperação mais rápida e o excelente resultado estético em grande número dos casos, as próteses têm apresentado maior índice de preferência em todo o mundo. "O mercado brasileiro tem evoluído muito no que se refere às próteses com resultados naturais, com diferentes formatos e mais segurança, como a linha da Allergan, que contém mais de 140 opções de implantes", explica.  

Prevenção

Segundo Anne, a prática de 150 minutos de atividades físicas por semana, alimentação saudável, evitar o tabagismo, obesidade e o consumo de bebidas alcoólicas são importantes formas de prevenção do câncer de mama. Ela também chama atenção para um ponto pouco comentado: "Não ter filhos e não amamentar são fatores que podem aumentar o risco da doença, além de outros fatores como herdar mutações em genes", diz.  

Ainda de acordo com a médica, o que muitos não sabem é que homens também podem ser afetados pelo câncer de mama, porém em menor número, sendo que para cada 100 mulheres há um homem com a possibilidade de desenvolver a doença.