Extrema dependência do parceiro, mesmo para atividades simples do dia a dia, desconfiança e ciúme excessivos, mudança nos hábitos sociais como deixar família e amigos de lado são alguns indícios de que uma pessoa está sofrendo de Amor Patológico, uma doença psicológica real que precisa de cuidados especializados. Ela é considerada um vício não químico e tem os mesmo efeitos no cérebro do uso de drogas, incluindo crises de abstinências. A situação, inclusive, pode  estar por trás da realidade de um relacionamento abusivo, pois a dependência é tanta, que o parceiro ou parceira, não consegue desvencilhar mesmo em situações de violência ou humilhação.  Embora seja possível de acontecer tanto homens, como mulheres, o alerta da médica psiquiatra  Denise Vieira Espíndola (CRM 17.194),  vai especialmente para elas.  Dados ONU mostram que  três em cada 5 mulheres, já sofreram um relacionamento abusivo. 
  
Um estudo científico da Universidade de São Paulo (USP), intitulado “Amor patológico: um novo transtorno psiquiátrico?”, mostrou que esse padrão de comportamento é mais prevalente na população feminina mesmo diante de uma sociedade moderna e com fortes tendências comportamentais que dão empoderamento à elas. Denise, que atende no centro clínico do Órion Complex, explica que a doença está relacionada a diversos fatores. “Geralmente são mulheres que apresentam carência emocional importante, além de baixa estima e confiança. Então quando entram em um relacionamento fazem de tudo para evitar o risco de serem abandonadas”. A médica ressalta também que  as vulnerabilidades já são um fator de risco em si, mesmo antes de estarem em um relacionamento.
 
O estudo foi publicado em 2006, mas a doença ainda é pouco conhecida. Baseado em diversas publicações literárias, notícias veiculadas na mídia, além de compilar informações de grupos de apoio como o Mulheres que Amam Demais Anônimas (MADA) e nos  Dependentes de Amor e Sexo Anônimos (DASA), ele mostra que homens  por sua vez, são pouco afetados, muito por influência da cultura, que os distanciam mais dos relacionamentos.  Nos estágios iniciais o Amor Patológico age da mesma forma como ocorre com o usuário experimental de cocaína ou qualquer outro estimulante: padrão de relacionamento proporciona alívio da angústia, libera adrenalina e diminui a ansiedade. O resultado é uma pessoa que acredita  que o parceiro é o que dá significado para sua vida. “É possível notar sintomas como negligência no trabalho e insistência no relacionamento mesmo quando ele é  prejudicial ou tóxico e o portador da doença insiste em mantê-lo”, pontua Denise. 
 
Uma espécie de crise  de abstinência pode acontecer no caso de uma briga, rompimento ou até mesmo nos momentos em que o parceiro  se comporte  fisicamente ou emocionalmente distante. “O sentimento de perda pode causar insônia, alterações de apetite, irritação e tensão”, detalha a médica. Em termos psicológicos, a essência do Amor Patológico não é o amor, mas o medo de ficar só, não ter valor, não merecer o amor e a satisfação de resolver essas carências, compensa os desconfortos e prejuízos que ela causa. Por isso tem grande incidência em pessoas que tiveram uma infância traumática, com histórico de violência ou recebeu pouco amor. 
 
Alguns estudos também relacionam o Amor Patológico a padrões do transtorno obsessivo compulsivo e outros acreditam que o problema em questão caracteriza-se como dependência de amor, um subtipo do transtorno de personalidade dependente. A despeito das causa ou efeito, Denise alerta para que a sociedade esteja atenta aos sinais. “ A mulher normalmente sofre calada. É importante não repreendê-la, se aproximar sem julgamentos e se posicionar como uma escuta aberta”.  O psiquiatra é quem estabelece o tratamento ideal que pode ser uma combinação de psicoterapia e psiquiatria ou dependendo do caso, o uso de medicamentos, por isso é importante buscar ajuda especializada.