A velhice requer uma série de cuidados específicos e, muitas vezes, os mais próximos não estão preparados para suprir tamanha particularidade ou, simplesmente, dispõem de menos tempo do que exige toda a dedicação necessária. Os antigos asilos, vistos como alternativa de terceirização de cuidados, têm deixado de ser uma opção viável para abrir espaço a instituições profissionais que evoluem junto com os padrões de atendimento e estão preparadas para suprir as atuais necessidades dos idosos.

Em Goiânia, o Afeto Hotel & Spa é um exemplo dessa nova modalidade de cuidados na terceira idade. A começar pelos diferentes formatos de estadia, desde a diária até a longa permanência, quando o idoso passa a estabelecer moradia no local. Para quem precisa de cuidado por um tempo determinado, a instituição também atende na modalidade de hotel.

“Nosso objetivo é mudar a percepção das pessoas sobre os lares de idosos e mostrar o quanto esse atendimento personalizado e humanizado é traduzido como zelo pelos familiares. Significa que você quer oferecer o melhor ao seu familiar, reconhecendo que nem sempre tem o tempo suficiente para isso ou sabe lidar com questões inerentes à idade, como a demência, em alguns casos”, explica o proprietário, André Luiz Baylão, que também é ginecologista e nutrólogo.

Outro exemplo da tendência é a instituição Lar Doce Lar. Localizada em um bairro da capital goiana marcado pela rica presença de natureza, o espaço ainda investe no paisagismo, transformando áreas comuns em cantinhos especiais adornados com muito verde.

Tour

As instituições de cuidados para idosos podem surpreender com o conforto e acolhimento que oferecem. No Afeto Hotel & Spa, há opções de suíte individual ou compartilhada com mais uma pessoa. Todas são equipadas com banheiro privativo, televisão, frigobar, ventilador e ar-condicionado, além de sensores de iluminação, acionados automaticamente sempre que o idoso se levanta à noite.

Os cômodos atendem aos padrões de acessibilidade exigidos e têm espaço para personalização, com porta-retratos e enfeites. Para incentivar as visitas de familiares, a instituição reservou um andar inteiro para acomodar aqueles que vêm de outra cidade. Além disso, é aberta e estimulada a participação das famílias em atividades diárias, acompanhamento nas consultas médicas e nutricionais, bem como durante atividades comemorativas internas e passeios.

O Lar Doce Lar também preza pela participação familiar na rotina dos idosos e ainda investe na autoestima, disponibilizando serviços de cabelereiro, barbearia e manicure. É a essência do zelar aplicada nas mais diferentes formas.

Nesse novo conceito de abrigo, os moradores são estimulados ao convívio em grupo. Entram em cena as atividades lúdicas, como culinária, musicoterapia e terapia ocupacional, monitoradas pela equipe de profissionais. Além disso, todas as datas comemorativas são motivo de mobilizações geral para confecção de elementos decorativos, cardápio especial e apresentações musicais, de dança ou de poesia. Para aqueles que gostam de passear, são promovidas idas ao teatro, cinema ou mesmo ao shopping. “Existe uma relação de muita cumplicidade e entrega, o que proporciona um ambiente de segurança e aceitação por parte dos idosos”, finaliza Baylão. 

Cuidados específicos

Instituições como essas precisam se preparar para receber desde pessoas lúcidas e com total autonomia a outras com Alzheimer e diferentes graus de demência. “Adaptamos a assistência de acordo com a necessidade. Portanto, somos aptos a tratar do idoso que precisa da alimentação por sonda, diabéticos, hipertensos, cadeirantes”, explica Baylão.

Para atender a diferentes perfis, o local deve ser equipado com áreas de terapia ocupacional, fisioterapia, psicologia, musicologia, fonoaudiologia, culinária e educação física, enfim, uma série de recursos que possibilitem a melhor assistência possível ao morador. As atividades podem ser feitas em grupo ou individualmente, de acordo com o grau de comprometimento de cada um.

“Os moradores contam com assistência 24 horas de técnicos de enfermagem e cuidadores, sob supervisão de uma enfermeira padrão”, conta o médico, acrescentando, ainda, que são promovidas consultas periódicas com geriatra e nutrólogo para acompanhamento da evolução.

Acolhimento
 
Quando sofreu um AVC, Vera de Carvalho, 81, teve os movimentos corporais comprometidos. A família, composta por sete filhos, uniu-se para criar um verdadeiro homecare para a matriarca. Com isso, dona Vera passou a receber cuidados particularizados na casa de uma das filhas, Alba Solange.
 
A vontade de ver a mãe interagir com mais pessoas e continuar desenvolvendo suas habilidades estimulou Solange a buscar uma instituição profissional de cuidados para Vera. “Levei em consideração a organização do ambiente, o asseio e o carinho que pude perceber no trato da equipe com os demais idosos que lá estavam”, explica a filha.
 
Assim, há quase três meses, dona Vera vai se adaptando a esse novo formato de lar. Ela passou a dividir quarto com uma companheira de mesma idade e está refazendo laços de amizade. “É muito bom conviver com pessoas que estão na mesma fase de vida que a sua”, declara a idosa, que se encantou com a aula de musicalização e atualmente é uma das alunas mais empolgadas da turma de prática de canto.
 
A família faz contato diário e visitas constantes. “Estamos sempre com minha mãe, ela vem passar os finais de semana em casa. Saber que está recebendo os melhores cuidados e sendo estimulada a viver de forma saudável e feliz nos dá muita segurança e alegria”, garante Solange.