Versátil, funcional, aliado da iluminação e capaz de ampliar ambientes, o espelho já é uma solução queridinha e atemporal dos projetos de arquitetura e design de interiores. Para brincar ainda mais com o jogo de sensações, os móveis com espelhos acoplados vêm ganhando espaço nas casas. As portas dos armários nos quartos logo vêm à cabeça ao pensar nesse tipo de mobiliário, mas as possibilidades são infinitas: dá para utilizar na sala de estar ou de TV, hall de entrada, banheiros, closets e até na cozinha. “Não há regra. Desde que o cliente goste e deseje, sempre buscaremos um balanceamento”, destaca o arquiteto Lucas Blaia.

Além da sensação de amplitude, o arquiteto pontua outras vantagens do uso de espelhos nos ambientes: a sensação de leveza e, especialmente quando aplicados em móveis, a sofisticação. “Nos dormitórios, apostamos nos armários, móveis laterais e, até mesmo, na composição da cabeceira, para o ambiente não ficar com aspecto de pesado. Em banheiros, no gabinete e no armário superior”, comenta. No caso da cozinha, Lucas alerta para a manutenção da limpeza para que não se perca a estética elegante e a funcionalidade do material.

Para que a aposta no mobiliário seja bem-sucedida, o profissional recomenda adquirir em lojas de confiança. “Sem saber sobre a procedência, um trilho pode soltar, o espelho descolar e até acontecer um acidente sério em casa”, alerta. “Além de preservar a integridade física dos moradores, ninguém quer investir dinheiro em algo que será substituído em pouco tempo”, complementa.

No caso de um mobiliário existente, o arquiteto Bruno Moura afirma que é possível reformar e adicionar um espelho revestindo à porta do armário do quarto ou até mesmo à frente de alguma gaveta ou porta do móvel da sala. “É claro, precisa ver se o mobiliário está em bom estado, se vale a pena a reforma e se não é preciso fazer mais alguma mudança. Em comparação com um laminado, por exemplo, o espelho acaba sendo uma opção um pouco mais cara”, comenta.

Determinar que o móvel espelhado seja um ponto focal no cômodo é uma dica para não errar na hora de incorporá-lo na decoração, para refletir as luzes e destacá-lo. “Em uma sala, o espelho pode estar na mesa de centro, na frente do rack ou em um trecho do painel da TV. É preciso analisar o restante do ambiente, a intenção do espaço e tudo mais”, diz Bruno. Já na sala de jantar, um uso comum é como revestimento da parede onde está a mesa, que faz o espaço parecer maior. “Também podemos ter um bufê com tampo ou portas espelhadas.”

Apesar de acreditar que não há regras para o uso, o arquiteto sugere parcimônia. “Espelhos em excesso prejudicam não só a acuidade visual, como também a saúde física e mental dos moradores. Seu emprego de forma intensa só vai bem em mostras de arquitetura e arte, quando a proposta caminha por um lado conceitual e que provavelmente terá um tempo máximo de permanência”, comenta.

Para quem gosta de outros elementos de destaque, o espelho se equilibra com qualquer cor, textura ou material. Pensando nisso, o material permite misturas bem-sucedidas e criativas, trazendo modernidade, sofisticação, aconchego ou uma proposta mais clean. O profissional recomenda móveis de acabamento em tons nude, pastel, prata, bronze e gradientes de cinza.

 

Dormitórios espelhados

Promover aconchego e relaxamento mas também funcionalidade em um quarto pode ser uma tarefa bem-sucedida com a aplicação de espelhos no ambiente. Acoplado às portas dos armários é, inclusive, o seu uso mais comum. “Em casos de dormitórios com dimensões que não possibilitam a inserção de um espelho solto, essa é uma ótima alternativa. Ali ele não será só uma porta, mas também um componente para que o morador possa se enxergar ao vestir uma roupa”, comenta Lucas Blaia.

A funcionalidade do móvel deve ser a prioridade, mas o armário também pode trazer leveza e luminosidade para o cômodo, segundo o arquiteto Bruno Garcia de Athayde. “Esse móvel deve ser funcional, servindo para se olhar de corpo inteiro na hora de se vestir. Além disso, o espelho traz um toque de modernidade, dá charme e brilho ao espaço”, diz. Nem sempre o quarto será amplo, principalmente em apartamentos, e a implantação de um guarda-roupa espelhado é uma das soluções. “Pode ser um excelente recurso para ambientes menores, criando uma sensação de amplitude”, comenta.

O material acoplado aos móveis cria uma nova perspectiva de leveza, direcionando o que deve ser destacado na decoração. Outra sugestão de uso nos quartos é acima da cabeceira da cama, trazendo o toque de modernidade e amplitude ao ambiente, mas sem deixar aspecto de pesado. “Não existe regra para utilizar espelhos na mobília bem como no ambiente. No entanto, devemos ficar atentos ao tamanho para que as peças que forem utilizadas recebam um recorte adequado para ter um bom acabamento, já que a intenção é deixar a peça em evidência”, adverte.

Hora do jantar

Os espelhos podem ir além dos quartos e salas de TV, funcionando como recurso em cozinhas ou sala de jantar. “Nas cozinhas, podemos utilizar de várias formas. Seja como anteparo entre inferior e superior do móvel, criando uma sensação de falsa janela, ou revestindo a torre de eletros, as portas e frentes e, até mesmo, como painel ou composição”, explia Bruno. Combinando a peças de madeira e eletrodomésticos, um armário com porta espelhada consegue trazer luminosidade e leveza para a cozinha. “Esse diferencial na decoração é capaz de capturar a claridade e refleti-la para os demais objetos, além de oferecer a sensação de conforto que o espaço requer”, afirma.

Para ele, a sala de jantar é um ambiente que chama a atenção e marca impressões. Para esse cômodo, os espelhos podem ser utilizados nas cristaleiras, no aparador, na mesa e nos painéis de composição. “No fundo da cristaleira, ela funciona como um truque para uma sensação de mais louças armazenadas”, explica. Em apartamentos, uma mesa ligada a um bufê espelhado na parede traz a sensação de continuidade, dando a sensação de o ambiente ser maior do que realmente é. O arquiteto ressalta que, além de complementar a decoração, o mobiliário também é funcional, armazenando taças e copos, por exemplo, e servindo de apoio ao jantar.

 

Ih, sujou

Os móveis espelhados podem ser excelentes recursos para ampliar espaços, levar um toque de modernidade e leveza e ressaltar a luminosidade. No entanto, a manutenção da limpeza do material requer atenção especial, já que adere com facilidade manchas de dedos e gorduras. Quando utilizados na cozinha, apesar do aspecto de elegância, a frequência de higienização deve ser ainda maior para que a função estética se mantenha. Esqueça os produtos abrasivos ou panos que não apresentem textura macia e que não soltem os temidos fiapos.