Uma pesquisa realizada pelo Cancer Research UK, do Reino Unido, constatou que três em quatro pessoas desconhecem a relação entre o excesso de peso e o diagnóstico de ao menos 10 tipos de câncer: esôfago, vesícula, fígado, pâncreas, rins, intestino, útero, ovário, mama e próstata.

O estudo destaca ainda que indivíduos de origem socioeconômica mais baixa e homens, em especial, representam a maior parte entre aqueles que desconhecem os riscos aumentados de desenvolver tumores em decorrência da obesidade. Esses mesmos grupos têm o maior número de pessoas obesas.

Já no Brasil, segundo os dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), quase 60% da população está acima do peso. Considerando-se apenas os impactos na incidência de câncer, estimativas do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) indicam que pelo menos 15 mil dos casos de câncer registrados por ano no país poderiam ser evitados a partir de medidas voltadas ao combate ao sobrepeso e à obesidade. Desses, 10 mil atingiriam mulheres e os outros 5 mil homens.

E essa é uma realidade que tende a evoluir de forma negativa: até 2025 serão 29 mil novos casos de câncer causados pelo excesso de peso (4,6% do total), segundo o estudo epidemiológico feito em colaboração com a Harvard University (Estados Unidos) e publicado em 2018. Segundo o oncologista Daniel Gimenes, do Centro Paulista de Oncologia, "a obesidade é a segunda maior causa evitável da doença, perdendo apenas para o tabagismo". "E além do câncer, vale lembrar que problemas como diabetes, acidentes vasculares cerebrais e doenças cardiovasculares podem ser evitadas a partir de medidas simples para controle desse excesso de quilos", comenta.

O oncologista reforça que manter uma alimentação equilibrada é a chave para a diminuição da progressão dos casos de câncer. "A dieta saudável é aquela que o indivíduo tem a orientação de um nutricionista ou nutrólogo e que tenha um cardápio composto de alimentos integrais, frutas, verduras, proteínas de carne branca, além de limitar o consumo de carne vermelha, carnes defumadas e processadas e a ingestão de bebidas alcoólicas", finaliza o especialista.