Espero que o passo 6 para uma vida mais feliz te encontre vivenciando os passos anteriores e sentindo os efeitos concretos que eles podem produzir na sua vida. Mas se ainda tem algo te incomodando, alguma circunstância ou problema que tem esgotado suas forças e energias, o passo 6 com certeza vai ajudá-la a buscar novos caminhos. Sabe aquela situação que é um problema no seu dia a dia, que te faz perder tempo e energia, desgasta a relação com seus familiares ou colegas de trabalho?

Podem ser situações mais simples ou mais complexas, como não conseguir sair do trabalho mais cedo para ficar mais tempo com os filhos, sentir que perdeu o senso de autovalor e não conseguir fazer nada para resgatá-lo, não conseguir manter a organização da casa ou sentir falta de realização no trabalho, e mesmo assim continuar indo para lá todos os dias sem fazer nada para buscar uma alternativa. Podem ser discussões diárias com algum familiar sobre o mesmo assunto... Enfim, poderíamos listar aqui inúmeras outras situações, pois a individualidade de cada pessoa é o que determina se uma situação é um problema ou não.  

Uma mudança positiva que você pode realizar para sustentar sua felicidade e seu bem-estar é desenvolver uma atitude mental voltada para a solução e não para o problema. Um dos aspectos essenciais para você criar essa atitude mental positiva é ter a mente aberta, ampliar sua visão para o que está acontecendo e realmente acreditar que uma mudança pode acontecer. Esse sentimento de esperança e de confiança na sua capacidade de concretizar a mudança é essencial para você realizar pequenas atitudes diárias que vão te tirar do ciclo vicioso do problema que tanto te incomoda. 

Se você observar como tem lidado com o problema, verá que os pensamentos são sempre os mesmos e, geralmente, são pensamentos geradores de conflito, de desesperança e de desânimo, alimentando a atitude mental que considera esse problema sem solução. Esses pensamentos reforçam o quadro atual, alimentam a negatividade envolvida na situação e estimulam emoções que te prendem cada vez mais ao problema. E, assim, você acaba fazendo sempre as mesmas coisas, esperando resultados diferentes. 

Um dos sinalizadores de que você está com foco no problema é quando você tem sempre as mesmas atitudes diante dele, quando você continua tentando solucioná-lo usando as mesmas estratégias que já demonstraram sua ineficiência. Se o que você tem feito até agora não resolveu o problema, é porque não é a solução, não é mesmo? Então, abra-se para novas possibilidades. A atitude mental com foco na solução e não no problema sustenta o pensamento de que a mudança pode e vai acontecer. Você amplia a sua visão para a situação que está vivendo. 

Enxergando além do problema, você começa a tomar consciência de pequenos passos que pode dar em direção à grande mudança que deseja para a vida. É preciso ter clareza de que uma mudança se faz caminhando e não parada ou dando saltos impossíveis. Uma grande aliada para a construção dessa atitude mental com foco na solução são as suas forças pessoais, aquelas que vimos no passo 5. Mas vamos a algumas estratégias que você pode usar para desenvolver essa atitude mental positiva: o primeiro passo é perceber sua disposição para decidir tirar o foco do problema e colocar o foco na solução.

Pergunte a si mesma: estou realmente convencida de que existe uma solução ou ainda estou presa ao problema? Observe seus pensamentos diante dessa pergunta. Se surgirem pensamentos repetitivos de desânimo e desesperança ou se você começar a julgar e criticar a si mesma ou ao outro, relembrando tudo o que já fez e não deu certo, é porque sua visão ainda está voltada para o problema e não para a solução. Então, será preciso frear esses pensamentos e estimular uma atitude mental mais positiva, utilizando uma ou mais forças de caráter para dar um passo à frente e se dispor a enxergar a solução, olhando para a situação sob outras perspectivas. A solução existe, acredite. 
 
Uma dica para buscar novas soluções é recordar como era sua vida antes que esse problema tivesse se instalado ou se em algum momento você já lidou com esse problema de uma forma diferente, que deu resultados melhores do que os atuais. As atitudes do passado podem não ser a solução atual, mas elas podem te inspirar a perceber se existem alguns comportamentos atuais que você não tinha antes e que estão alimentando o problema. Pode ser que você perceba que uma pequena atitude será capaz de desencadear uma série de mudanças positivas. 

Dar pequenos passos viáveis de serem realizados em direção à mudança que você deseja pode ser o caminho mais sustentável para sair do problema. Muitas vezes, propor-se a uma mudança radical e instantânea pode levar a uma sobrecarga física, emocional e mental, que vai enfraquecer a sua força de manter-se firme na realização da mudança que deseja. São pequenos passos somados que promovem grandes mudanças. Então, vá realizando pequenas mudanças e se pergunte com frequência: o que posso fazer agora para me aproximar ainda mais da mudança que desejo para minha vida? Qual o próximo passo que posso dar, que somado a esse que já concretizei, vai me fazer continuar caminhando em direção à solução para esse problema?

Observe que nesse movimento você respeita suas condições e fortalece o que é necessário para dar passos maiores. Daí algumas pessoas podem dizer: “nossa, mas assim vai demorar demais. Eu não vou conseguir esperar tanto. Quero sair dessa situação já”. Tudo bem! Mas há quanto tempo você está tentando dar grandes passos para retroceder dois ou mais depois? Uma atitude mental positiva com foco na solução exige paciência, resistência para adiar o desejo de realizações imediatas, disposição para fazer novas escolhas e humildade para reconhecer o que é capaz de fazer nesse momento e onde é preciso se fortalecer para dar um passo maior depois. 

A atitude mental positiva com foco na solução te coloca no lugar de investigadora do problema e de si mesma. É desenvolver o olhar para dentro e perceber que você ainda não usou todos os seus recursos e pontos fortes porque estava com foco na reclamação e lamentação. Quando você se dispõe verdadeiramente a se conectar com a solução, você começa a perceber que está negligenciando recursos e forças que estão disponíveis para apoiá-la a sair do problema. Algumas perguntas que podem te ajudar nessa investigação são: o que eu ainda não tentei? Quais são os recursos internos e externos que ainda não utilizei? Qual força de caráter (passo 5) pode me apoiar a sair dessa situação? Como eu posso conseguir o apoio das outras pessoas envolvidas para encontrar a solução para esse problema? O que eu posso fazer hoje para minimizar o efeito desse problema na minha vida? 

Pode ser que esse processo de investigação te leve a descobrir que resolvendo o problema você vai perder algo de que gosta. Sair de um problema também pode gerar reações adversas. A maioria dos remédios são assim, não é mesmo? Muitas vezes, para curar o sintoma de uma doença, geramos outros pequenos desconfortos. Mas superar esses pequenos desconfortos iniciais, que exigem disciplina, atenção e paciência, pode ser o caminho para se chegar a uma solução satisfatória para o problema e, assim, restabelecer a sua paz e o seu bem-estar. 

Então, coragem! Siga em frente e confie que algo melhor te espera mais à frente. Comece a olhar para os problemas do cotidiano como uma oportunidade para você exercitar uma atitude mental com o foco na solução e para desenvolver seus recursos internos e externos, que vão fortalecer o seu poder pessoal e as suas relações interpessoais.    

*Yara Carvalho é pedagoga, psicopedagoga e especialista emocional. Tem pós-graduação em Psicologia Analítica e Psicologia Transpessoal e várias formações na área de desenvolvimento humano, inteligência emocional, relacionamentos interpessoais e Psicologia Positiva. É facilitadora de programas de autoconhecimento e desenvolvimento da inteligência emocional e de workshops para pais que desejam investir em seus relacionamentos familiares e na educação emocional dos filhos. 
 
Os comentários publicados aqui não representam a opinião da plataforma e são de total responsabilidade de seus autores.