Sabe aquele slogan da propaganda de condicionador que fala que “cabelo bonito é cabelo bem nutrido”? É verdade. Mas essa afirmação, definivamente, não se limita às escolhas de shampoo e condicionador. A nutrição capilar é uma das vertentes da nutrição estética, que ajuda a ressaltar a sua beleza, tornando seu organismo mais saudável. É tratar de dentro para fora!

A queda de cabelo (alopecia), por exemplo, pode estar relacionada a fatores genéticos, hormonais ou alimentares.  A nutrição capilar ajuda a avaliar o que está causando a perda de cabelo. É feita a dosagem de hormônios, vitaminas e minerais por exame de sangue ou sublingual. Também é feito o tratamento da microbiota intestinal com probióticos (microorganismos que vivem no trato intestinal), onde nutrientes são absorvidos.
  
Um corpo magro ou o fato de praticar atividades físicas não são, necessariamente, indicativos de que o organismo está bem nutrido. A modulação hormonal para ganhar massa muscular e as dietas hipocalóricas com deficiência grande de nutrientes afetam muito o cabelo. Fios quebradiços, ressecados e oleosos auxiliam na identificação de problemas hormonais e nutricionais.
 
É o impacto na aparência que pode alardear a necessidade de se nutrir melhor. Assim, vale ressaltar que a carne vernelha e os vegetais de folhas verdes escuras são aliados para a saúde dos seus cabelos. Afinal, são fonte de zinco, que auxilia a síntese da célula e o crescimento do cabelo, e também são ricos em ferro, que previne a queda dos fios. 

No caso de veganos e vegetarianos, um nutricionista poderá elaborar um plano alimentar individualizado com aporte de nutrientes necessários para garantir a saúde capilar. 

Do que o seu cabelo precisa? 

Uma dieta balanceada vai ajudar na nutrição capilar. O trabalho do nutricionista tem de ser combinado com o de um dermatologista ou tricologista (área da dermatologia especializada no tratamento do cabelo e do couro cabeludo). Se houver propensão genética para a alopecia, é possível ajudar a diminuir e a postergar a queda. As catequinas, que são antioxidantes, por exemplo, estimulam a circulação e o desenvolvimento do bulbo do fio. Esses nutrientes estão presentes no chá-verde, chá-branco, chá-vermelho e chá-preto. A vitamina Q10, encontrada na sardinha, espinafre e amendoim, também precisa entrar na dieta. 

Já a vitamina H (biotina), extremamente importante para a nutrição capilar, não está presente em grande variedade de alimentos. As fontes são rim, fígado e a gema de ovo. A ausência de vitamina H pode provocar dermatites e queda de cabelo. É comum que ela seja inserida na dieta como suplementação.

*Nany Sado é Nutricionista. Especialista em Body Nutrition, Nutrição Esportiva e Fitoterapia aplicada à Nutrição, a profissional adota coaching no processo de reeducação alimentar de seus pacientes e coleciona bons resultados. Vive em Goiânia, ama correr, viajar e descobrir novidades do estilo de vida saudável.   

Os comentários publicados aqui não representam a opinião da plataforma e são de total responsabilidade de seus autores.